Web Summit

Web Summit. Proposta do Governo “em desvantagem” face à de Londres, Paris ou Madrid

A proposta do Governo para manter a Web Summit em Lisboa é para dez anos, mas ainda assim estará em "desvantagem" face às candidaturas de cidades como Londres, Madrid ou Paris, apurou o Observador.

Fernando Medina e António Costa a darem início à edição da Web Summite me 2017

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A proposta que o Governo português apresentou à equipa de Paddy Cosgrave para manter a Web Summit em Lisboa estará “em desvantagem” face às candidaturas que estão a ser feitas pelas “grandes cidades” — aquelas que já receberam eventos internacionais desportivos à escala de um Mundial de Futebol ou de uns Jogos Olímpicos, como Londres, Madrid ou Paris, apurou o Observador.

A Web Summit trocou a cidade de onde é originária, Dublin, por Lisboa, em 2015, depois de a organização ter assinado um contrato de três anos (com possibilidade de extensão por mais dois) com a capital portuguesa. O investimento de 3,9 milhões de euros para os três anos (2016, 2017 e 2018) foi financiado pelo Turismo de Lisboa, Turismo de Portugal e pela AICEP em 1,3 milhões de euros por ano.

Ainda não se conhecem os valores da proposta pós-2018, mas tal como avançou o Eco esta sexta-feira, o plano passa por um contrato de cinco anos, seguidos de outros cinco. Ou seja, o objetivo do Governo é manter a conferência no país até 2028. Estão envolvidas nas negociações o Ministério da Economia, o ministro adjunto Pedro Siza Vieira e Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa. António Costa também estará envolvido no processo.

Em junho, o Observador avançou que havia pelo menos mais oito cidades a querer a Web Summit: Munique, Paris, Londres, Berlim, Madrid, Milão, Bilbao e Valência. A proposta de Valência, conhecida na mesma altura, prevê um investimento de 25 milhões de euros para os próximos cinco anos, em dinheiros públicos. Mas se juntarmos a este apoio público direto o apoio em infraestruturas o valor total ultrapassará os 170 milhões de euros.

De acordo com o que o Observador apurou, as grandes cidades estarão a reagir aos valores anunciados por Valência — o único investimento que é publicamente conhecido — e a colocar a conferência à escala de um evento desportivo internacional. Para os Jogos Olímpicos de 2012, Londres investiu cerca de 10 mil milhões de euros, por exemplo. O retorno terá sido na ordem dos 11 mil milhões de euros, segundo a BBC.

Contactada pelo Observador, fonte oficial da Web Summit disse apenas que o número de cidades a competir pelo evento em 2019 está a diminuir e que as negociações com os diferentes governos ainda estão a decorrer. Não prestou mais esclarecimentos sobre o processo de seleção das cidaddes.

O Governo português estima que cada edição da conferência tecnológica tenha um impacto de cerca de 300 milhões de euros anualmente, para a economia local. A edição de 2018 realiza-se entre 5 e 8 de novembro em Lisboa, na Altice Arena e na FIL. São esperadas mais de 70 mil pessoas de 170 países, segundo a organização.

Na edição do ano passado, participaram no evento, segundo a organização, 59.115 pessoas de 170 países, entre os quais mais de 1.200 oradores, duas mil startups, 1.400 investidores e 2.500 jornalistas acreditados. Fundada por Paddy Cosgrave, na Irlanda, em 2010, a Web Summit tornou-se num dos eventos de empreendedorismo e tecnologia mais importantes do mundo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)