Todos os fabricantes querem uma fatia do mercado de veículos eléctricos, que se espera risonho e enorme. A popularidade e o potencial destes veículos amigos do ambiente são tão grandes que até fornecedores da indústria automóvel querem deixar de oferecer apenas componentes e passar a comercializar veículos completos, maximizando o encaixe financeiro.

A Bosch, que já produz de tudo um pouco para automóveis, do software para a gestão de motores aos piscas, luzes, limpa-vidros e sistemas de infoentretenimento, decidiu desenvolver duas motorizações a pensar em veículos comerciais, de furgões a modelos de caixa aberta, mas todos eles com vocação urbana ou semi-urbana.

Os motores em causa vão destinar-se a comerciais com uma capacidade de carga entre 2 e 7,5 toneladas, que ainda estão a ser desenvolvidos pela Bosch, pelo que ainda é cedo para avançar com mais detalhes. Contudo, a empresa alemã garante que os clientes vão ficar satisfeitos com a autonomia.

Denominados eCity Truck, os novos veículos eléctricos poderão atingir cerca 200 km de autonomia, o que a Bosch entende ser suficiente para a maioria dos clientes de transportes urbanos, uma vez que a maioria não ultrapassa os 80 km por dia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Segundo o fabricante, os primeiros comerciais com emblema da Bosch surgirão em 2019, mas a companhia afirma que a sua incursão pelos veículos eléctricos vai para além dos modelos destinados ao transporte de carga, garantindo estar já em contacto com a Deutsche Post para o fornecimento das StreetScooter, obviamente eléctricas a bateria, destinadas à entrega de cartas e pequenas encomendas. E até os carros de passageiros estão debaixo de olho da Bosch, que também está a desenvolver motorização para a Nikola Motors.

Mais importante é o facto de a Bosch prometer que os seus veículos serão mais baratos do que a concorrência, o que se por um lado é bom para a Bosch, é igualmente mau para a marca alemã. Isto porque os seus comerciais irão concorrer contra modelos de alguns conceituados concorrentes, que são seus clientes, como a Renault, que também oferece 200 km de autonomia na sua Master Z.E..