Rádio Observador

Brasil

Caetano Veloso responde a carta de Temer: “É difícil me destituir”

Temer enviou carta a Caetano a contestar comparações com candidato do PDT, Ciro Gomes. O músico respondeu: "A última pessoa a quem ele escreveu carta foi Dilma. E a turma dele deu golpe contra ela."

DAMIAN DOPACIO/AFP/Getty Images

O presidente brasileiro Michel Temer enviou uma carta a Caetano Veloso onde contestava a comparação que o músico tinha feito, no Twitter, entre o atual presidente e o candidato presidencial Ciro Gomes. Ao saber da carta, o músico brasileiro não tardou em responder com ironia a Temer: “A última pessoa para quem Temer escreveu uma carta longa foi para Dilma. E a turma dele deu um golpe contra ela. Será que ele vai dar um golpe contra mim? É que eu sou difícil de destituir.” Depois sorriu, num vídeo que publicou na sua conta do Twitter.

Caetano Veloso apoia Ciro Gomes, um dos candidatos anti-Temer (que não será candidato). Por isso, também através do Twitter, o músico fez, a 24 de julho, uma comparação entre o presidente e ex-líder do PMDB, Michel Temer, e o candidato do Partido Democrático Trabalhista (PDT), Ciro Gomes — que nas últimas sondagens está muito atrás de Lula (PT) e também é menos favorito do que candidato do partido de Temer, Geraldo Alckmin.

Na comparação, Caetano considerou Temer “dissimulado”, disse que procurava “conchavos” (conspirações/conluios), que só pensava em si, que era uma “assombração do passado” e um “morto-vivo”. Ao contrário, segundo Caetano, Ciro, é “explosivo”, “busca união”, “pensa no país”, tem “vitalidade” e “coragem”.

Ora, Temer respondeu com uma carta enviada ao “Prezado Caetano Veloso“, em que o presidente é referido na terceira pessoa. A missiva diz que, para Temer, Ciro é “um pigmeu político” e que ele próprio “nunca fugiu de embates”. Temer disse ainda que “não há conchavos” na sua ação, mas “articulação“. O presidente brasileiro lembrou ainda projetos aprovados durante a presidência de temer como a “Lei da Ficha Limpa” e a “Lei de Acesso à Informação“. Além disso enumerou várias conquistas da área ambiental e social do seu mandato. E concluiu a carta, dizendo: “É em nome da transparência e de estar aberto sempre ao contraditório, que o presidente regista alguns dos atos que praticou e comportamentos que sempre teve. De forma civilizada e respeitosa, para um músico e compositor que tanto representa para a cultura brasileira.”

Caetano respondeu com a tal ironia, lembrando a carta que Temer enviou a Dilma Rousseff, antes do impeachment da então presidente brasileira. Nessa carta, de dezembro de 2015, Temer queixava-se a Dilma que tinha passado todo o primeiro mandato como um “vice decorativo” e que tinha perdido “todo o protagonismo político” em nome da unidade do Governo. Reclamava também só ser chamado “para resolver as votações do PMDB e as crises políticas”.

O ex-Presidente do Brasil Lula da Silva, cuja candidatura é contestada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), lidera com 37,3% as intenções de voto nas presidenciais do Brasil, anunciou na segunda-feira, citada pela Lusa, a Confederação Nacional dos Transportes (CNT). O resultado faz parte uma sondagem nacional divulgada pela CNI/MTA, que indicou que em segundo lugar vem o deputado conservador Jair Bolsonaro, com 18,3%.

Empatados na margem de erro da sondagem aparecem em terceiro lugar a ambientalista Marina Silva (5,6%)0, o ex-governador do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin (4,9%) e o ex-governador do Estado do Ceará Ciro Gomes (4,1%).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus
686

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)