Hungria

Parlamento Europeu: PCP votou contra relatório que condena governo húngaro de Viktor Orbán

1.902

O Parlamento Europeu aprovou o relatório que condena o governo da Hungria por “risco manifesto de violação grave dos valores europeus”. PCP votou contra. Marinho e Pinto absteve-se.

Sean Gallup/Getty Images

É o primeiro sinal forte que a União Europeia dá para se distanciar do regime de Viktor Orbán. Esta manhã, no Parlamento Europeu, a grande maioria dos eurodeputados votou a favor de um relatório que acusa o governo da Hungria de “risco manifesto de violação grave dos valores europeus”. No entanto, e de acordo com o relatório das votações, o PCP votou contra a aprovação do diploma e Marinho e Pinto absteve-se. Os restantes partidos portugueses votaram a favor.

Aos jornalistas, João Ferreira explicou que os comunistas votaram assim porque não reconhecem à União Europeia “nem a autoridade nem legitimidade para se arvorar em juíz, árbitro ou mesmo referência no que aos direitos humanos e à democracia diz respeito”. O eurodeputado do PCP dá o exemplo da troika em Portugal “que atropelou a ordem constitucional e o acervo de direitos liberdades e garantias nela contidos”, ou “as políticas migratórias de cariz racista e xenófobo promovidas pela própria União Europeia”.

Ainda assim, João Ferreira garante que “o PCP está firmemente comprometido com a luta pela liberdade, pela democracia, pelos direitos sociais, cívicos e políticos” e garante “toda a solidariedade para aqueles que na Hungria, comunistas e outros democratas que lutam contra as políticas e o governo de Orbán”.

O relatório em causa, que foi aprovado esta quarta-feira no plenário, propõe que seja acionado o artigo 7º do Tratado da União Europeia, um procedimento que, no limite, pode levar à suspensão dos direitos de voto da Hungria.

Até ao final da votação reinava a incerteza sobre se o relatório conseguiria reunir votos suficientes para ser aprovado – uma maioria de dois terços. Até porque, para isso, precisava que muitos dos eurodeputados do PPE, que pertencem à mesma família política do partido de Orbán, votassem a favor do relatório.

Na noite passada, tal como Observador avançou, o partido não conseguiu chegar a uma posição comum e deu liberdade de votos aos deputados. O resultado ficava assim incerto. Mas ao início da tarde desta quarta-feira, os resultados não deram margem para dúvidas: 448 votos favoráveis, 197 contra e 48 abstenções.

O anúncio da votação foi acompanhado de uma enorme ovação no plenário, com a deputada relatora do documento, Judith Sargentini, visivelmente emocionada. O relatório aponta o dedo ao governo de Viktor Orbán, numa longa lista de acusações que passam pela substituição de juízes independentes por magistrados “ligados ao regime”, ataques à independência das universidades, controlo dos meios de comunicação social, corrupção, oligarquia, apropriação indevida dos fundos comunitários, ataque à liberdade de culto religioso, proibição de organizações não governamentais, liberdade de expressão, direitos das mulheres, perseguição de imigrantes, refugiados e ciganos.

PSD e CDS satisfeitos com o resultado

O PPE, onde está incluido o Fidesz, é também a mesma família política do PSD e do CDS. Todos os eurodeputados portugueses votaram a favor do relatório e até o comissário europeu Carlos Moedas assumiu que se fosse deputado, teria votado a favor: “Eu sinto-me muito desconfortável por ter Viktor Orbán no meu partido político. Como é que nós podemos ter uma pessoa que defende o que ele defende? Aquilo que se está a passar na Hungria é terrível”, dizia Moedas aos jornalistas portugueses, à saída do debate do estado da União.

Já Paulo Rangel, fez questão de sublinhar que “o PSD está à vontade, porque nós estamos a votar contra o governo húngaro e as suas medidas desde 2011, e até temos liderado esse processo com luxemburgueses e holandeses.”

A mesma tónica foi usada pelo eurodeputado Nuno Melo, do CDS, que também assumiu o voto a favor, lembrando que não é novidade esta posição do partido. “Não me identifico com o governo de Orbán”, garantiu.

Melo lembrou, contudo, que a Hungria ou a Polónia não são os únicos estados onde há problemas. E citou os casos de Malta, da Roménia ou da Eslováquia, todos governados por socialistas. O mesmo fez Paulo Rangel “A Roménia e a Eslováquia estão em pior situação que a Hungria. E ninguém pergunta ao partido Socialista o que pensa dos governos desses países”

Sobre a eventual saída do partido de Orbán da família do PPE, Rangel explica: “Do nosso ponto de vista ele devia já estar suspenso ou até de saída, mas isso é uma questão que tem de ser negociada com todos os outros partidos. Esta é a nossa posição.”

O PPE é o maior grupo político no Parlamento Europeu, mas nos últimos tempos tem-se intensificado a dúvida sobre se faz sentido manter alguns membros na família, em particular o partido Fidesz, de Viktor Orbán. Apesar da pressão, a questão não é consensual, porque sem o Fidesz, é mais difícil que o grupo de centro direita se mantenha como o mais numeroso no parlamento depois das europeias de 2019.  Para além disso, se há deputados que defendem a expulsão de Orbán por considerarem ser contrário aos princípios do partido, há outros que defendem uma posição mais moderada, com o argumento de que mantendo Orban é mais fácil controlar e moderar a sua ação.

Um processo que pode não dar em nada

A inédita decisão tomada esta quarta-feira no Parlamento Europeu pode ter influência no que se seguirá. É a primeira vez que a assembleia europeia elabora e vota um relatório sobre a oportunidade de desencadear um procedimento como este.

Apesar de tudo a probabilidade de alguma coisa acontecer de facto é escassa. Este é apenas o início de um processo que passa agora para as mãos do Conselho da União Europeia que vai trabalhar em conjunto com a Hungria para evitar sanções. Passos mais radicais terão de dados com o apoio de uma larga maioria de estados-membros, o que para muitos analistas europeus será pouco provável.

“Embora as autoridades húngaras tenham estado sempre dispostas a discutir a legalidade de qualquer medida específica, não se fez face à situação, subsistindo diversos motivos de preocupação que se repercutem negativamente na imagem da União, bem como na sua eficácia e credibilidade na defesa dos direitos fundamentais, dos direitos humanos e da democracia a nível mundial, e que põem em evidência a necessidade de lhes dar resposta através de uma ação concertada da União”, diz o relatório aprovado esta quarta-feira.

Nada que surpreenda Viktor Orbán, que no dia anterior à votação esteve em Estrasburgo para se defender das acusações e declarou desde o início saber qual seria o sentido de voto. “Não vão condenar um governo, vão condenar um país” declarou, para depois deixar uma garantia “Vocês decidiram que o nosso país não pode recusar-se a ser um país de imigração. Não cederemos à chantagem e a Hungria defenderá as suas leis, contra todos, se for preciso.”

Notícia atualizada às 17h com as declarações do eurodeputado João Ferreira

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: pbenevides@observador.pt
Imigração

Os imigrantes são nossos

Patrícia Pacheco

As crianças crescem numa época onde ter smartphone ou ténis de marca é quase essencial para a integração no grupo, e a inversão das prioridades num orçamento reduzido é uma realidade destes imigrantes

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)