Furacão

Furacão Florence já chegou à Carolina do Norte

O furacão Florence, que baixou para a categoria 1 nas últimas horas, está a provocar chuvas intensas e ventos fortes na costa sudeste da Carolina do Norte. Aviso de tornado chegou a ser emitido.

Getty Images

Florence já chegou à Carolina do Norte. O olho do furacão entrou no território norte-americano a partir da praia de Wrightsville, em Willmington, às 7h15, hora local (12h15), com rajadas de vento de 145 km/h, que entretanto aumentaram para 169 km/h. Segundo o meteorologista Gannon Medwick, este é o segundo valor mais alto alguma vez registado na região. O primeiro, de 217 km/h, diz respeito ao furacão Helene, que devastou a região em setembro de 1958.

O Florence, cuja intensidade diminuiu ligeiramente nas últimas horas desta quinta feira, tendo mesmo descido para a categoria 1, já estão a provocar chuvas intensas e ventos fortes na costa da Carolina do Norte, à medida que o olho vai entrando no estado no sudeste dos Estados Unidos da América. O serviço nacional de meteorologia chegou a emitir um aviso de tornado para as localidades de Hollister, Centerville e Castalia durante a madrugada desta sexta-feira.

Em Pamlico Sound, onde fica a maior lagoa da costa este dos Estados Unidos da América, e na ilha Emerald, os níveis da água continuam elevados e espera-se que continuem a aumentar à medida que a maré vai subindo. Nesta última, o nível da água tem mais dois metros do que seria normal.

Já há ruas inundadas várias localidades inundadas e centenas de pessoas estão sem eletricidade, segundo o The Guardian. Uma das cidades mais afetadas é New Bern, onde 150 pessoas ficaram presas devido à subida do nível das águas. As autoridades estão neste momento a tentar resgatá-las.

Autoridades esperam inundações sem precedentes

O Florence, que chegou a ter ventos máximos de 220 quilómetros/hora como furacão de categoria 4, baixou para categoria 2 (na escala de intensidade de Saffir-Simpson de um máximo de 5) entre quarta e quinta-feira, e continuou a enfraquecer ligeiramente. Esta sexta-feira já entrou na categoria 1, a mais baixa. Apesar da perda de força, os peritos alertam que se trata de um sistema de grande tamanho, muito bem organizado, que mantém o seu potencial destrutivo pelo perigo de marés ciclónicas, inundações e precipitações intensas, à sua passagem.

A Agência Federal para a Gestão de Emergências apontou que o maior perigo que representa a tempestade é a “tremenda quantidade de água” que vai descarregar ao passar pela Carolina do Norte, Carolina do Sul e Virgínia, na costa leste dos EUA, produzindo “inundações repentinas que ameaçam a vida”.

Segundo o provável padrão de trajetória, de acordo com o NHC, o olho do furacão aproximou-se esta quinta-feira à tarde das costas das Carolinas e esta noite ou sexta-feira deverá mover-se para perto ou sobre a costa sul da Carolina do Norte e leste da Carolina do Sul. Não são esperadas grandes alterações na intensidade do sistema antes que o seu olho toque terra, na costa sudeste norte-americana, com uma debilitação progressiva à medida que se mova terra dentro.

Carolina do Norte, Carolina do Sul e Virgínia estão sob alerta devido ao perigo de marés ciclónicas, inundações e precipitações intensas, à sua passagem.

Com a aproximação aos Estados Unidos da América do Florence, cujos ventos e chuvas já começaram a sentir-se esta quinta-feira, o NHC emitiu um aviso de maré ciclónica na zona, com o NHC a alertar para a “possibilidade de inundações que ameaçam a vida” devido a um aumento do nível do mar, “movendo-se terra dentro”. Devido a esta perigosa maré ciclónica, áreas que são normalmente secas perto da costa deverão inundar-se devido a um aumento do nível do mar, que poderá alcançar até quatro metros, com possíveis “ondas grandes e destruidoras”.

Seguindo os conselhos das autoridades, os norte-americanos têm, nos últimos dias, preparado a chegada do Florence. As prateleiras dos supermercados estão vazias, as casas foram forradas com madeira para evitar mais estragos, foram colocados no exterior das portas e subidos os portões de cheia devido à possibilidade de inundações.

Pelo menos 10 milhões de pessoas vivem nas zonas que estavam sob aviso na quarta-feira. Algumas cidades foram evacuadas, afetando cerca de 2,4 milhões de pessoas. Nestas zonas, as autoestradas tornaram-se em estradas de sentido único.

Além do Florence, no nordeste do Atlântico está ativa a Helene, que desceu de furacão para tempestade tropical nas últimas horas. A Helene arrasta ventos máximos de 110 km/h e desloca-se em direção ao norte do Atlântico, com uma velocidade de 22 km/h, pelo que não representa uma ameaça para zonas populosas.

A tempestade estava às 19h a 1.825 quilómetros a sudoeste da base aérea das Lajes, na ilha Terceira, nos Açores, e os peritos estimam que deverá continuar a perder força nas próximas 72 horas. Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, os efeitos do Helene deverão começar a fazer-se sentir a partir da tarde de sábado no grupo ocidental dos Açores, ilhas das Flores e do Corvo.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Furacão

Pssst, dr. Costa. Houve um furacão no país /premium

Filomena Martins
800

Para quem faz da descentralização uma bandeira, ignorar uma catástrofe no centro do país revela além da insensibilidade genética outra verdade: que tudo são promessas lançadas (literalmente) ao vento.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)