Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Este artigo foi inicialmente publicado a 23 de setembro do ano passado por causa do furacão Maria, mas foi atualizado a propósito do furacão Florence.

É o quarto ano consecutivo em que a época das tempestades tropicais começa mais cedo do que o normal. Os meteorologistas assumem que a temporada dos furacões no Atlântico arranca a 1 de junho e termina a 30 de novembro. Este ano, no entanto, a tempestade Alberto veio mais ou menos uma semana mais cedo do que era expectável (a 25 de maio) com ventos a soprar a 105 quilómetros por hora. Só um mês depois é que outra tempestade, a Beryl, se haveria de formar. Mas mesmo assim 2018 já voltou a bater recordes: Beryl tornou-se no primeiro furacão a nascer no mês de julho no Atlântico desde o Bertha em 2008. Chris, que veio depois, foi o segundo maior da temporada desde 2005. E desde 1974 que não havia uma época com mais de três tempestades subtropicais.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.