Beleza e Bem Estar

O Instagram é um mundo encantado? Não para estas 20 influencers

Na era do Instagram perfeito e do consumismo extremo, estas influenciadoras estão a mudar a forma como se pode usar as redes sociais para passar mensagens positivas e de inspiração no dia a dia.

O que é a beleza? Ou o que é a imagem perfeita? As medidas certas? Quem cresceu nos anos 90 certamente se lembra do número mágico que era propagado pelas revistas e pela televisão: o 86-60-86 ou as medidas perfeitas da mulher. E já nessa altura essas medidas representavam um padrão irreal que associávamos às super modelos e nunca a nós – mulheres reais. O meu eu adolescente também se colocou em frente ao espelho com uma fita métrica para ver se encaixava. Claro que isso nunca aconteceu.

Mas quando chegamos ao dia de hoje, as redes sociais catapultaram esta imagem da mulher perfeita para a mulher comum. É a “girl next door” que poderíamos (e deveríamos) ser todas nós. Mas não somos. Porque as redes sociais estão apinhadas de mulheres que se enchem de filtros e aplicações para encolher daqui, apagar dali e tornar a pressão pela beleza ainda maior. E se acrescentarmos a isto a pressão para se ter mais e a propagação do estilo de vida altamente consumista, estamos perante uma geração que vai viver para sempre insatisfeita.

A revista Time escreveu que o Instagram é a pior rede social para a saúde mental e bem-estar dos adolescentes e jovens adultos, ressalvando os perigos associados a ansiedade, depressão, solidão e bullying. Falamos de uma rede social que cria expectativas irreais relativamente à imagem e sentimentos de inadequação e baixa auto-estima porque o modus operandi é a proliferação de corpos e rostos irreais altamente editados e retocados.

É aqui que entramos nós. As redes sociais também contam histórias positivas. Falamos de influencers que estão a dar um passo à frente ao gritarem em alto e bom som que as redes sociais também podem ser usadas para mais do que selfies, looks do dia e #ad aos produtos mais estapafúrdios, pondo de lado a ânsia do ter e do mostrar. Influencers que estão a criar diálogos com esta geração da Internet. Que estão a atirar por terra o conceito da beleza de Instagram e a mostrar que, na verdade, a beleza não tem qualquer padrão.

E sempre que as suas fotografias aparecem no nosso feed, a nossa própria confiança aumenta porque nos conseguimos identificar com elas em vários ângulos: desde a positividade corporal até à inclusão, estilo de vida, saúde mental, cultura e por aí fora. Assim, não podemos mudar a forma como as redes sociais são tóxicas. Mas podemos escolher quem queremos seguir e que conteúdos nos fazem bem e queremos consumir diariamente.

Reunimos na fotogaleria mulheres de todo o mundo que têm perfis públicos e que tem obrigatoriamente de seguir porque lhe vão dar um senso de comunidade virtual. E são doses diárias de inspiração.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)