Transporte Ferroviário

Concorrência acusa 5 empresas de cartel nos concursos para a rede ferroviária. Mota-Engil e Teixeira Duarte são visadas

Autoridade da Concorrência acusa 5 empresas de cartel nos concursos para manutenção da rede ferroviária lançados pela Infraestruturas de Portugal. Mota-Engil e Teixeira Duarte entre as acusadas.

ESTELA SILVA/LUSA

Cinco empresas são acusadas de cartel em concursos públicos lançados pela Infraestruturas de Portugal para obras de manutenção da rede ferroviária. A Autoridade da Concorrência (AdC) emitiu uma nota de ilicitude contra os grupos Mota-Engil, Comsa, Somague, Teixeira Duarte e Vossloh que visa igualmente seis gestores destas empresas.

Em causa estão concursos públicos lançados entre 2015 e 2017 para a prestação de vários serviços de manutenção de equipamentos da rede ferroviária, como cancelas, agulhas, semáforos, refere a AdC em comunicado. A investigação foi desencadeada por uma denúncia e revelou que estas empresas “manipularam as propostas apresentadas nos concursos lançados pela Infraestruturas de Portugal”. Para o efeito, estas empresas “celebraram dois acordos restritivos da concorrência visando a fixação dos preços de prestação dos serviços e a repartição dos lotes constantes de um dos concursos”.

A nota de acusação agora divulgada não constitui ainda uma condenação, na medida em que as empresas e gestores visados têm agora a oportunidade de prestar esclarecimento ao abrigo do direito de audição. Só depois será adotada uma eventual condenação com a respetiva sanção, coima. O processo envolveu diligências de buscas e apreensão nas empresas visadas, tal como foi aliás noticiado o ano passado.

A Autoridade da Concorrência revela que a denúncia foi recebida no quadro da campanha de combate ao conluio na contratação pública lançada em 2016. O regulador recorda que a lei da concorrência proíbe expressamente os cartéis, considerando que são acordos entre empresas que restringem de forma sensível a concorrência no mercado. A AdC refere ainda que o combate aos cartéis é uma prioridade, dado os prejuízos que causam a cidadãos e empresas por obrigar a pagar preços mais elevados.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

Caixa para que te quero

Inês Domingos

Centeno quis a toda a força financiar a Caixa para lá do que seria aparentemente preciso, mas disse no Parlamento que não tem interesse no resultado da auditoria que revelou os desmandos socialistas. 

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)