Operação Marquês

José Sócrates. Processo “Marquês” foi “viciado e corrompido” desde o início e o principal suspeito é Carlos Alexandre

982

O ex-primeiro-ministro — acusado de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal — diz que o processo "Marquês" foi manipulado para ter o juiz que o Estado, o Ministério Público, desejava.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O processo Marquês foi “viciado” e “corrompido” desde o seu início “e o principal suspeito é o Juiz Carlos Alexandre”. As palavras são de José Sócrates, um dos principais acusados do processo, num artigo de opinião que escreveu para a rádio TSF e que foi publicado esta sexta-feira.

“O que está em causa neste momento é a fundada suspeita que este processo foi viciado, corrompido desde o seu início, por forma a ter o juiz titular que uma das partes desejava, um juiz com partido, um juiz escolhido pelo Estado, isto é, pelo Ministério Público”, escreve José Sócrates.

O ex-primeiro-ministro – acusado no âmbito do processo de crimes de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada – argumenta que no processo Marquês deveria estar um juiz escolhido aleatoriamente por sorteio — uma vez que a 01 setembro de 2014 o Tribunal Central de Instrução Criminal passou a ser composto por dois juízes.

Por isso mesmo, indica Sócrates, a 08 de setembro “o inquérito número 4/13.3GALSB que foi desde o seu início, em 2013, acompanhado judicialmente pelo Juiz Carlos Alexandre, mudou de titular para o Juiz João Bártolo”, o outro juiz que, a partir daquele dia, passou a fazer parte do Tribunal. “Essa mudança só pode ter ocorrido em função de uma nova distribuição tornada obrigatória em consequência desta nova realidade: o Tribunal passou a ter dois juízes”.

No entanto, diz Sócrates, quando a 09 de setembro “o processo ‘Marquês’ foi enviado para o Tribunal, não houve nenhuma operação de distribuição e o respetivo sorteio previsto na lei não foi efetuado, tendo a escolha do juiz sido feita, segundo o próprio Tribunal, por ‘atribuição manual’”.

Ou seja, para o ex-primeiro-ministro, não houve distribuição aleatória do juiz, mas sim um “ato intencional de escolha de um juiz, ludibriando a lei”.

A escolha do juiz, que deveria ter acontecido em 9 de setembro de 2104, não resultou de uma operação de distribuição que deveria ter sido por sorteio ou, como diz a lei, ‘realizada por meios electrónicos, os quais devem garantir aleatoriedade no resultado’. Em conclusão: desde 9 de Setembro de 2014 que o processo “Marquês” não teve um juiz legal ou juiz natural”.

“Estamos para ver exatamente quem deu essas instruções, mas é importante que nada fique por dizer: o mais provável é que o processo tenha sido ilegalmente ‘avocado’ e o principal suspeito é o Juiz Carlos Alexandre”.

A argumentação de que o processo não teve um juiz aleatoriamente escolhido é a base do requerimento de abertura de instrução entregue pela defesa de outros dos principais arguidos no processo, Armando Vara.

No requerimento, a defesa de Vara diz que a escolha do juiz Carlos Alexandre foi “ilegal e manipulada”. “A referida afetação foi feita, como se pode ler no documento, mediante uma chamada atribuição manual, não tendo sido observada a distribuição eletrónica, nos termos legais”, argumenta a defesa.

Este será também um dos pontos do requerimento que José Sócrates entregou na semana passada, ainda que — contactada pelo Observador — a defesa do ex-primeiro-ministro não tenha querido revelar os argumentos utilizados.

José Sócrates insiste. “Mais uma vez: no dia 1 de Setembro de 2014 entraram em vigor duas novas leis – a lei de organização do sistema judiciário e novo regime aplicável à organização e funcionamento dos tribunais judiciais”. Foi nessa altura, sustenta o antigo primeiro-ministro, que o TCIC deixou de ser um Tribunal de Competência Especializada e de juiz único, “para passar a ser um Tribunal de Competência Territorial Alargada, com dois juízes”.

“Quem olhar para a situação despido de outro interesse ou agenda verá isto claramente: se há novo Tribunal, se há agora dois juízes – então uma nova distribuição de processos efetuada por sorteio é obrigatória. Simples, para quem está de boa-fé”, conclui.

E sublinha a importância do sorteio, palavra que utiliza 12 vezes ao longo do texto. “Só o sorteio protege a imparcialidade do juiz e só o sorteio protege o sistema judicial contra outras motivações”, em primeiro lugar as políticas “mais clássicas” e, numa nova alfinetada a Carlos Alexandre, as motivações “mais modernas, que vêm de dentro do próprio sistema”.

Só o sorteio mantém a venda da justiça, só o sorteio a manterá cega, só o sorteio garantirá igualdade, qualquer que seja o caso. Sorteio.”

José Sócrates conclui que a questão da escolha do juiz é só mais uma num processo com “um longo historial de abusos”.

“A detenção ilegal, a prisão para investigar, os prazos legais escandalosamente ultrapassados, o segredo de justiça violado ao serviço de uma violenta campanha de difamação promovida pelo Estado e ainda a entrevista televisiva do juiz de instrução, onde ostensivamente evidenciou uma completa parcialidade, fazendo desprezíveis e desonestas insinuações”, enumera.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nvinha@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)