Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia, fez história ao levar consigo a filha ainda bebé à Cimeira de Paz “Nelson Mandela”. Neve, de três meses, tornou-se assim na primeira bebé a assistir à assembleia-geral da Nações Unidas com a mãe.

O momento foi captado em fotografia. Ardern é vista a beijar e mimar a filha. Quando chegou o momento de discursar durante a sessão, a primeira-ministra deixou a criança ao cuidado do pai — o apresentador televisivo Clark Gayford — e dirigiu-se à assembleia que reúne os líderes mundiais sob o olhar atento da filha.

Foi “uma decisão prática”, explicou a líder neozelandesa ao jornal New Zeland Herald. “Na verdade, a Neve está perto de mim a maior parte do tempo quando estamos na Nova Zelândia, só que nem sempre é vista. Mas aqui, quando ela está acordada, tentamos e mantemo-la comigo. Foi o que aconteceu neste caso.” Segundo o casal, Gayford é o principal cuidador da filha. No entanto, como Ardern ainda está a amamentar, o companheiro acompanha-a durante as funções oficiais.

Jacinda Ardern é a segunda líder mundial a ter uma criança enquanto está no governo, quase três décadas depois da líder paquistanesa Benazir Bhutto em 1990. Segundo a CNN, apesar de reconhecer atualmente ocupa a vanguarda, tem esperança que “um dia será normal”.

A presença de Neve na ONU foi muito elogiada e as fotografias tornaram-se rapidamente virais nas redes sociais. “Não consigo frisar o suficiente o quanto a ONU — e os governos que fazem parte dela — precisam disto”, escreveu Samantha Power, que foi embaixadora dos EUA na ONU durante o governo de Barack Obama, no Twitter.

“A primeira-ministra Ardern está a mostrar que não existe ninguém mais qualificado para representar o seu país que do que uma mãe trabalhadora. Só 5% dos líderes mundiais são mulheres, portanto precisamos de as fazer sentir o mais bem-vindas possível”, disse Stephane Dujarric, porta-voz da ONU, à Reuters.

Já o companheiro de Ardern recorreu ao Twitter para partilhar a experiência da bebé na ONU. Numa publicação, Clark Gayford partilhou uma fotografia do cartão identificador em que Neve é designada como “primeira-bebé da Nova Zelândia”. “Quem me dera poder capturar o olhar espantado da delegação japonesa na ONU que ontem entrou numa sala de conferências no meio de uma mudança de fralda. Excelente história para o 21º aniversário dela”, contou.

Em 2017, Jacinda Ardern tornou-se, aos 38 anos, a líder mais nova do seu partido. Três meses após assumir a chefia do partido, foi eleita a mais nova líder da Nova Zelândia em 150 anos ao derrotar o ex-primeiro-ministro na primeira vitória para o seu partido em nove anos. Depois de ter a filha, regressou às funções oficiais no mês passado, após seis semanas de licença.

Durante a Cimeira de Paz “Nelson Mandela”, Ardern recordou o momento “determinante” em que assistiu a um discurso de Mandela quando tinha 15 anos e incitou a ONU a seguir o exemplo do líder sul-africano. “Isto significa que quando vemos uma situação de segurança a deteriorizar-se, agimos. Durante muito tempo, as Nações Unidas e a comunidade internacional têm esperado para reagir. Em vez disse, devemos ser pro-ativos e unir esforços no prevenção de conflitos”, defendeu. “Devemos tornar-nos melhores a identificar as situações de alto risco e os sinais preocupantes, antes que o conflito comece. Não podemos ficar em silêncio face à intolerancia, ódio e descriminação. Temos de falar por aqueles que não têm uma voz. Temos de perseguir a igualdade de direitos para todos”, acrescentou.