A atriz Emma Watson escreveu uma carta a Savita Halappanavar, uma dentista que morreu em 2012 na Irlanda por não lhe ter sido permitido abortar às 17 semanas apesar de os médicos saberem que o feto não sobreviveria à gravidez. Agora que a Irlanda já despenalizou o aborto num referendo com mais de 66% dos votos a favor, a artista britânica aceitou o desafio da revista Porter para escrever uma homenagem à médica de origem indiana. E escreveu: “Que a oitava emenda permitisse valorizar a vida de um feto que não nasceu em vez da vida de uma mulher foi uma chamada de atenção para a nação. Para ti e para quem é obrigado a viajar para o Reino Unido para ter acesso ao aborto legal e seguro, a justiça foi difícil de conquistar”. E concluiu: “Continuemos a lutar pela justiça reprodutiva”.

O conteúdo da carta de Emma Watson foi desvendado no Twitter da própria atriz. A imagem mostra uma fotografia de Savita Halappanavar em manifestações a favor do aborto na Irlanda e a mensagem da britânica: “Não te querias  tornar no rosto de um movimento. Querias uma intervenção que te salvasse a vida. Quando a notícia da tua morte foi divulgada em 2012, a necessidade de ação de ativistas irlandeses ressoou em todo o mundo: revogar a oitava emenda da Constituição irlandesa. Uma vez e outra, quando as nossas comunidades locais e globais lamentam uma morte trágica resultante da injustiça social, nós prestamos homenagem, mobilizamos e proclamamos: ‘Repousa no poder’. Com uma promessa para o morto e um grito para a sociedade, dizemos: nunca mais. Mas a justiça raramente prevalece para aqueles cujas mortes simbolizam a desigualdade estrutural. Ainda mais raro é uma vitória feminista histórica que incentiva a luta pela justiça reprodutiva em todos os lugares”.

Emma Watson também recorda aquilo que os amigos e familiares de Savita Halappanavar contaram sobre ela e como isso inspirou mulheres em todo o mundo: “Disseram-nos que eras apaixonada e cheia de vida, que nasceste uma líder. Ouvi dizer que em Dwali em 2010 ganhaste um prémio de bailarina da noite e que dançavas com as crianças da tua comunidade. Vi um vídeo onde apareces a dançar no Dia de São Patrício e levou-me às lágrimas ver o teu sorriso cheio de energia e a tua alegria palpável. Ao partilhar o sofrimento com o mundo, a tua família apoiou publicamente a campanha Together For Yes. O teu pai expressa ‘uma grande gratitude pelo povo da Irlanda’. Em resposta, o povo da Irlanda diz que te deve muito”.