Há um ano o site de lifestyle da atriz  Gwyneth Paltrow destacava lojas em Lisboa e ganhava interesse redobrado, entre os portugueses, pelas escolhas. Mas antes disso já o Goop estava nas bocas de mundo de tantas polémicas que lançou via blogosfera: o site associado à atriz já recomendou, por exemplo, “vaporizar” a vagina.

Há uma década a atriz mandava a primeira newsletter do Goop através da sua cozinha, em Londres. Depressa os conteúdos chegaram a diferentes cantos do mundo, nem sempre pelos melhores motivos. Em jeito de celebração, recordamos algumas das polémicas protagonizadas pelo site que completou agora 10 anos de vida.

View this post on Instagram

It’s hard for me to believe that 10 years ago today, I sent the first, heartfelt, whimsical, lo-fi goop newsletter from my kitchen in Belsize Park London out into the world. And what a ten years it’s been. I have learned so much. I have learned about community and trust and conviction and authenticity and perseverance and self-belief. I have learned about leadership and culture and management and excel and wordpress and (multiple) e-commerce platforms. I have learned how to finish the days work at the kitchen table while my kids work on geography and geometry, that balance is elusive, that start-up life and motherhood are sometimes difficult bedfellows. Goop started as a place for me to collate and aggregate things that I had the good fortune to learn about; recipes, travel tips, doctors, healing modalities from foreign lands. When I look back, I see that I wanted to be a connector. I had a passion to connect interested people to interesting things, myself included. Our mission has evolved and keeps evolving. In these ten years that will follow, we hope to continue serve as a conduit to great information, and to make product that we always stand behind. We hope we will always remain unafraid to push boundaries, to introduce new ideas. We will always try to create a space where questions are sacrosanct and shame has no place. I want to thank each and every one of you for being a part of goop. We are so grateful for your engagement, for what you reflect back to us. Thank you for the most extraordinary journey thus far. Love, gp

A post shared by Gwyneth Paltrow (@gwynethpaltrow) on

Pensamentos negativos, água e arroz

Junho de 2014. No site de Gwyneth Paltrow encontramos a seguinte recomendação: não grite com o arroz, pode fazer-lhe mal. Os conselhos do cientista Masaru Emoto partem da ideia de que a consciência humana tem um efeito direto nos alimentos e nas bebidas, e que os pensamentos negativos alteram a estrutura molecular da água, uma vez que esta tem “sentimentos”. Quanto ao arroz, o alimento fica retraído e já não deixa sair o melhor de si.

“Vaporizar” a vagina

Janeiro de 2015. Aos 42 anos, aquela que já foi a namoradinha de Hollywood aconselha as mulheres a “vaporizar” a vagina. No site, Paltrow falou sobre um spa em Santa Monica, nos Estados Unidos, e de um tratamento aí disponibilizado. O “Mugworth V-Steam”, como é chamado, foi à data considerado pela atriz o “bilhete dourado” do Tikkun Spa: “Sentamo-nos no que é, essencialmente, um mini-trono e uma combinação de infravermelhos e vapor de artemísia limpa-nos o útero. (…) Dá-nos energia — não é apenas uma sauna — e ajuda a equilibrar os níveis das hormonas femininas. Se vive em Los Angeles, tem de experimentar”, lê-se.

O conselho feminino e íntimo não foi bem encarado por alguns médicos. A obstetra e ginecologista Jen Gunter, especialista em distúrbios vulvovaginais, chegou a escrever no blogue pessoal que as reivindicações da artista não eram aconselháveis ou saudáveis, afirmando que a vagina devia ser encarada como “um forno que se limpa sozinho” e um “jardim delicado”.

O “turismo de pobreza”

Abril de 2015. Não está diretamente associado ao site Goop, mas vale a pena ser recordada a vez em que Paltrow aceitou o desafio de gastar um máximo de 29 dólares (27 euros) em comida durante uma semana. A ideia — a léguas do seu habitual estilo de vida — era participar numa campanha de sensibilização contra a fome, organizada pelo Banco Alimentar de Nova Iorque. Pretendia-se ilustrar o quão difícil é viver com esse montante. A atriz foi às compras com 29 dólares e comprou uma dúzia de ovos, um pacote de feijão preto, arroz, couves, ervilhas, uma cebola, um tomate, alho, tortilhas, chili, alface, milho, uma batata-doce, cebolinho, coentros e sete limas.

As escolhas limitadas, com legumes e pouco mais, geraram muitas dúvidas. Muitos seguidores da artista consideraram as escolhas imprudentes ou pouco realistas tendo em conta quem vive com um orçamento limitado. À data, a Time escreveu um artigo onde acusava a loira de Hollywood de estar a fazer “turismo de pobreza”: “É turismo de pobreza, pura e simplesmente, e precisa de parar”.

Os presentes ridículos (e espetaculares)

Novembro de 2015. A atriz publica anualmente uma lista de presentes de Natal. Em 2015 chamava-se “Presentes ridículos (e espetaculares)”. Dito e feito: incluía papel higiénico para ricos ou um baralho de cartas de 2.000 euros.

© Goop

Queimar sutiãs para esquecer um ex-namorado

Fevereiro de 2017. A atriz recomendou queimar sutiãs para esquecer ex-namorados, uma vez que, segundo o Goop, a lingerie acumula energias negativas e memórias de paixões antigas. A recomendação publicada no site foi de uma perita em relações que, ignorando o facto de os sutiãs serem particularmente dispendiosos (e não só), afirmou que o ritual é uma forma de nos livrarmos da desconfiança do passado e de “receber um novo amor na nossa vida”. “A lingerie que usou com ex-amantes consegue reter resíduos tóxicos dessas mesmas relações, mas também memórias dolorosas”, lia-se no Goop.

Os conselhos sobre sexo anal

Março de 2017. “Se o sexo anal o excita, não está sozinho”, lia-se no site, numa entrevista feita ao psicanalista Paul Joannides, especialista e autor de “The Guide to Getting it On!”, um livro de sucesso sobre o tema e que é usado em várias universidades.