Timor-Leste

Ministro dos Negócios Estrangeiros timorense submetido a cirurgia devido a problema cardíaco

645

O Ministro dos Negócios Estrangeiros sentiu-se mal em Nova Iorque, onde se encontrava em representação de Timor-Leste para participar reunião anual da Assembleia-Geral das Nações Unidas.

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro dos Negócios Estrangeiros timorense, Dionísio Babo, está esta terça-feira a ser alvo de uma intervenção cirúrgica num hospital de Nova Iorque, Estados Unidos da América, devido a um problema cardíaco, disse à Lusa fonte diplomática.

A fonte explicou que Babo, 52 anos, se sentiu mal durante uma visita a Nova Iorque, onde se encontrava em representação de Timor-Leste para participar na 73.ª reunião anual da Assembleia-Geral das Nações Unidas. Isso obrigou a que fosse substituído na sua intervenção pela embaixadora timorense, Milena Pires.

O chefe da diplomacia, que poderá ter que passar até dois meses em recuperação nos Estados Unidos, antes de regressar a Timor-Leste, acabou por ser hospitalizado tendo sido detetado um problema cardíaco que obrigou à intervenção de hoje. “A operação poderá demorar até seis horas e está a decorrer desde o início da manhã [hora local]”, confirmou a fonte.

Uma fonte do executivo confirmou que, até que o ministro recupere, as suas funções serão assumidas pelo atual ministro de Estado na Presidência do Conselho de Ministros, Agio Pereira, que já está a assumir interinamente várias pastas porque alguns membros do Governo ainda não tomaram posse, incluindo o número dois dos Negócios Estrangeiros.

Fonte diplomática portuguesa confirmou à Lusa que apesar da ausência de Babo se mantém agendada, como prevista, a deslocação a Timor-Leste da secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação (SENEC) portuguesa, Teresa Ribeiro, esperada em Díli no sábado.

Teresa Ribeiro tem previsto a visita a Díli para, entre outros aspetos, negociar o novo Programa Estratégico de Cooperação (PEC) de Portugal com Timor-Leste para o período de 2018-2022, que substituirá o que terminou em final de 2017 e foi alargado devido à situação política em Timor-Leste, dado que o país teve eleições antecipadas.

Vários elementos do PEC foram discutidos na semana passada durante uma visita do vice-presidente do instituto Camões, Gonçalo Teles Gomes, a Timor-Leste, durante a qual se reuniu com vários membros do executivo. Entre os contactos, destaca-se a reunião com a ministra de Educação, Juventude e Desporto, Dulce de Jesus Soares, que, segundo o Camões, “reiterou o seu interesse em contar com o apoio de Portugal na área da Educação, designadamente, do ensino da língua portuguesa”.

Timor-Leste tem sido dos principais beneficiários da Ajuda Pública ao Desenvolvimento (APD) concedida por Portugal, tendo, em 2017, cerca de 80% do valor global sido dedicado ao setor da Educação, destaca o instituto português.

O vice-presidente do Camões foi ainda recebido pelo secretário de Estado da Arte e Cultura, Teófilo Caldas, e pelo Secretário de Estado para a Comunicação Social, Merício Juvenal dos Reis “Akara”, que, “referindo a importância estratégica da cooperação entre os dois países, solicitaram a continuidade dos projetos em curso e possibilidade de alargamento a outras áreas, dentro das respetivas tutelas”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)