Rádio Observador

Inovação

Agricultura feita por robots? É a solução que a Iron Ox quer colocar no terreno

A Iron Ox, baseada na Califórnia, criou a primeira produção agrícola controlada inteiramente por máquinas que recorrem a um sistema de inteligência artificial para monitorizar as plantações.

AFP/Getty Images

A Iron Ox é uma empresa com sede na Califórnia que está a revolucionar o setor agrícola, ao ter criado a primeira quinta totalmente controlada e monitorizada por robôs, com um sistema de inteligência artificial (IA). Esta solução aparece como resposta face ao problema da crescente falta de mão de obra, servindo também para tentar melhorar os níveis de produção.

Alegando estar capacitado para “produzir 30 vezes mais do que uma quinta tradicional”, anualmente, o software de IA, criado pela empresa americana, age movendo as plantas e rentabilizando eficientemente o espaço. Contudo, os custos para aplicação desta tecnologia levou a que tenham sido investidos cerca de 10 mil milhões de dólares, em 2017, representando um aumento de 29% do valor total registado em 2016. Com um espaço de 2000 metros quadrados, as plantas são colocadas em vasos com medidas de 1,2 por 2,4 metros, que pesam cerca de 362 quilogramas, com as quais as máquinas operam autonomamente.

Um vídeo da CNBC mostra como os mecanismos funcionam.

Brandon Alexander, o co-fundador da Iron Ox, disse ao The Guardian que a máquina de nome “Angus” é “incrivelmente inteligente” e que tal como um carro auto-conduzido tem aproximadamente 450 quilos, move-se pela quinta, sentindo e transportando os módulos de plantação de secção para secção.

Um braço robótico, totalmente autónomo, atua também sobre as plantações, colhendo as plantas através do seu sistema de reconhecimento altamente sensível, que permite fazer uma análise minuciosa do estado de prontidão das plantas antes de serem colhidas. Este braço, está apetrechado com duas câmaras e quatro sensores Lidar que lhe permitem “ver” em 3D, conseguindo identificar situações de doença, pestes e outros problemas relacionados com o estado das plantas.

De forma a controlar a maquinaria, a Iron Ox utiliza o sistema ao qual dá o nome de “The Brain”, (o cérebro), que é monitorizado por uma equipa de cientistas. Este sistema tem por objetivo processar a informação transmitida pelos robôs no terreno, bem como mimetizar as funções de um trabalhador agrícola, tais como: precisar os momentos indicados para semear, recolher folhas e embalar os produtos recolhidos na colheita.

Na agenda da Iron Ox constam planos de expansão, começando, em primeiro lugar, por vender as suas produções a restaurantes e pequenas mercearias, ainda este ano, e só depois pensa construir quintas “robóticas” na periferia de grandes centros urbanos, de forma a reduzir os custos e tempo de transporte dos produtos para o mercado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)