Venezuela

85% dos medicamentos estão em falta na Venezuela

715

A Federação Farmacêutica Venezuelana, a Fefarven, informou esta quinta-feira que estão em falta 85% dos medicamentos que se comercializam no país.

Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

A Federação Farmacêutica Venezuelana (Fefarven) informou esta quinta-feira que estão em falta 85% dos medicamentos que se comercializam no país. A denúncia surgiu um dia depois de o Governo venezuelano estabelecer preços fixos para 56 medicamentos, durante os próximos 90 dias.

“Mais de 150 farmácias encerraram em menos de dois anos e as que continuam a operar têm um défice de 85% no abastecimento de medicamentos, devido às políticas implementadas pelo Governo nacional”, disse aos jornalistas o presidente da Fefarven, Freddy Ceballos.

Segundo Freddy Ceballos, a decisão do Governo em estabelecer, “de maneira impositiva”, o preço dos medicamentos poderá provocar mais escassez no setor, principalmente se não houver uma atualização periódica do valor dos mesmos.

“Chegará a um momento em que o setor farmacêutico terá de dizer já basta ao Governo, que não podemos continuar a aceitar todas as condições que tu nos queres impor”, afirmou.

Segundo a Fefarven, para solucionar o défice de medicamentos na Venezuela seria importante fazer “liquidações especiais em divisas” (entregar os dólares autorizados para as importações) e admitir que é urgente solucionar a falta de abastecimento.

Por outro lado, a Fefarven adverte que a situação atual faz da Venezuela “o melhor caldo para cultivo de ilícitos” na área farmacêutica, assim como a passagem, pelas fronteiras, de medicamentos falsificados e sem nenhum tipo de controlo sanitário.

“Os medicamentos devem passar [ser supervisionados] pelo Instituto Nacional de Higiene. O Estado não pode ser o primeiro a violar essa norma”, advertiu.

Para Freddy Ceballos, há ainda um outro problema, a eliminação de embalagens secundárias e dos impressos que advertem os doentes sobre as indicações, contraindicações e efeitos secundários dos medicamentos.

O Governo venezuelano decidiu na quarta-feira fixar, por 90 dias, o preço de 56 princípios ativos de medicamentos, que correspondem a 172 duas apresentações, segundo resolução publicada na Gazeta Oficial nº 41.501, equivalente ao Diário da República.

A resolução estabelece o preço máximo de venda ao produtor ou importador, o preço máximo de venda ao distribuidor e por atacado e o preço máximo de venda ao público.

Entre os princípios ativos dos medicamentos, cujos preços foram fixados, contam-se o losartán (para a hipertensão), omeprazol, acetaminofén (paracetemol), ácilo fólico (vitamina B), azitromicina, ciprofloxacina, fenobarbitral, ibuprofeno e o ketoprofeno.

A divulgação dos preços destes produtos ocorre num momento em que os venezuelanos criticam as dificuldades para obter alguns medicamentos no mercado local, entre eles, os destinados a combater a hipertensão e para o tratamento da diabetes.

Por vezes, estes medicamentos estão disponíveis em farmácias que fazem importação de medicamentos, mas a preços inacessíveis para a maioria dos venezuelanos, tendo em conta os baixos salários, a constante desvalorização da moeda local (o bolívar soberano) e a hiperinflação.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)