Prémios e Galardões

Prémios Pfizer distinguem investigação sobre bactérias, antibióticos e cancro

161

Os Prémios Pfizer distinguem este ano investigações sobre a divisão celular nas bactérias e a resistência a antibióticos e o perfil das bactérias em doentes com cancro do estômago.

BERND WUESTNECK/EPA

Os Prémios Pfizer distinguem este ano investigações sobre a divisão celular nas bactérias e a resistência a antibióticos e o perfil das bactérias em doentes com cancro do estômago, anunciou esta quinta-feira a organização. Os galardões são atribuídos anualmente pela Sociedade de Ciências Médicas de Lisboa e pela farmacêutica Pfizer, nas categorias de “investigação básica” e “investigação clínica”, cada uma premiada com 20 mil euros.

Este ano, os prémios distinguem a equipa liderada pela cientista Mariana Pinho, do Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier, na categoria “investigação básica”, e o grupo de Céu Figueiredo, do i3S — Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, na categoria “investigação clínica”.

Mariana Pinho tem estudado o ciclo celular das bactérias para perceber de que forma são mais ou menos suscetíveis à ação dos antibióticos durante o processo de divisão que dará origem a duas bactérias. No trabalho premiado, a equipa da investigadora focou-se num dos “passos do processo”, na formação da parede que divide a célula-mãe em duas.

A espécie de bactéria que serviu de modelo foi a Staphylococcus aureus, que causa vários tipos de infeções, como as cutâneas e as endocardites (que afetam a camada mais interna do coração).

A investigadora explicou à Lusa que “há antibióticos que só atuam numa fase muito breve da formação da parede celular”, enquanto outros, como a penicilina, “atuam durante um período muito mais longo do ciclo celular”. As diferentes respostas das bactérias aos antibióticos durante a divisão celular podem, a seu ver, abrir caminho para “novos compostos” antibacterianos.

A outra investigação premiada, da equipa de Céu Figueiredo, do i3S — Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, concluiu, a partir de um estudo com doentes, que as bactérias no estômago dos doentes com cancro gástrico são diferentes das que existem nos doentes que têm inflamação crónica do estômago (gastrite crónica).

A alteração do perfil bacteriano no estômago poderá vir a ser relevante no seguimento dos doentes com lesões pré-cancerosas e contribuir para a prevenção do cancro do estômago, segundo os cientistas.

De acordo com Céu Figueiredo, nos doentes com cancro do estômago há uma “diminuição da abundância da Helicobater pylori, bactéria que desempenha um papel importante nas fases iniciais do processo que leva ao desenvolvimento de cancro, e aparecem “bactérias que produzem substâncias químicas capazes de causar danos” no ADN (material genético) das células.

Os Prémios Pfizer, a mais antiga distinção na investigação biomédica em Portugal, são concedidos anualmente a trabalhos de investigação básica e clínica realizados total ou parcialmente em instituições nacionais por cientistas portugueses ou estrangeiros. A farmacêutica Pfizer financia os prémios e a Sociedade de Ciências Médicas de Lisboa coordena a avaliação das candidaturas.

A entrega das distinções deste ano, em Lisboa, será antecedida pela conferência “Sociedades inteligentes ou sociedades sustentáveis”, a cargo da cientista Elvira Fortunato, mãe do papel eletrónico.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)