Assalto em Tancos

MAI rejeita conhecimento sobre “encenação” de Tancos

Eduardo Cabrita chegou ao Ministério da Administração Interna três dias depois de a PJ Militar recuperar o material de Tancos com ajuda da GNR. Mas garante que "não" conhecia os contornos da operação.

TIAGO PETINGA/LUSA

Eduardo Cabrita assumiu funções como ministro da Administração Interna a 21 de outubro de 2017, três dias depois de a PJ Militar recuperar o material de guerra furtado de Tancos em junho desse ano. Constança Urbano de Sousa, fragilizada com a forma como lidou com os incêndios e substituída por Cabrita na pasta, diz ao Observador que nada sabia sobre a colaboração da GNR na operação liderada pela PJ Militar. O atual ministro é lacónico: “Não” soube de nada.

O Presidente da República assegurou este sábado à Agência Lusa que também desconhecia o chamado ‘encobrimento’ das armas alegadamente  na base do desaparecimento e reaparecimento das armas de Tancos, recordando que tem insistido na exigência do esclarecimento de “toda a verdade, doa a quem doer”.

O Observador questionou igualmente Constança Urbano de Sousa, a anterior ministra da Administração Interna, que repetiu as mesmas palavras já usadas pelo ex-ministro da Defesa, José Azeredo Lopes: “Só soube dessa operação pelos jornais, quando se desencadearam as detenções” de inspetores daquela polícia, militares da GNR e um civil, João Paulino, o único civil a ser envolvido no processo até ao momento, diz a ex-ministra ao Observador.

Constança Urbano de Sousa argumenta que “nenhum ministro sabe o que o GNR A, B ou C anda a fazer” e garante que, durante os menos de quatro meses em que exerceu funções depois do furto, não acompanhou o caso. “Não recebi informações nenhumas”, garante a ex-ministra.

Foram escassas as intervenções da ex-ministra da Administração Interna sobre este processo. Em julho do ano passado, o jornal espanhol El Mundo escreveu que o assalto a Tancos poderia estar ligado a redes de tráfico internacional de armas — e não a terrorismo, como a Procuradoria-geral da República referia num comunicado divulgado dias antes.

A informação “não correspond[ia] à verdade”, garantiu de imediato o gabinete de Constança Urbano de Sousa, sublinhando que a ministra “não dispunha, nem podia dispor de informações detalhadas sobre investigações em curso” ao furto aos Paióis Nacionais de Tancos.

Ministro rejeita conhecimento da operação

Saiu Constança, entrou Eduardo, que passava de ministro Adjunto de António Costa a ministro da Administração Interna. Logo no comunicado que enviou às redações, na manhã de 18 de outubro,  a PJ Militar dava conta de que a recuperação material tinha contado com a colaboração de militares do Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Loulé. Quase um mês depois das detenções no âmbito da Operação Húbris — e depois de José Azeredo Lopes já ter deixado a pasta da Defesa –, Eduardo Cabrita garante que não tinha qualquer informação sobre o caso.

Há cerca de duas semanas (a 12 de outubro), o Observador enviou questões ao gabinete do ministro da Administração Interna sobre este caso. O objetivo era perceber se, em algum momento, o MAI foi informado da forma como o material de guerra foi recuperado. Em concreto, se Eduardo Cabrita tinha tido conhecimento da chamada anónima que a PJ Militar acordou com um informador para proteger a identidade daquele que era, na prática, um elemento suspeito de estar relacionado com o assalto.

O Observador também tentou saber se, dado o envolvimento da GNR, Cabrita obteve ou tentou obter do comando geral ou de outro nível de comando daquela força de segurança informações sobre a operação que resultou na recuperação do material de guerra.

Num primeiro momento, o gabinete de Eduardo Cabrita disse que o ministro “não exercia as funções de ministro da Administração Interna à data da recuperação do material furtado”, a 18 de outubro de 2017. E recordava que “já foi decidido pelo ministro da Administração Interna que a ação dos militares da GNR envolvidos será objeto de procedimento disciplinar pela Inspeção-geral da Administração Interna”.

O Observador insistiu, tentando perceber se, depois desse momento da tomada de posse — três dias depois da recuperação do material de guerra —, chegou informação ao titular da pasta sobre os contornos do processo que só seriam conhecidos no final de setembro deste ano, quando nove pessoas foram detidas (oito num primeiro momento e o ex-porta-voz da PJ Militar dias mais tarde). “Não”, limitou-se a responder o gabinete de Eduardo Cabrita.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)