Crime

Juiz Ivo Rosa decidiu não colocar traficante de armas em prisão preventiva e ele fugiu

22.651

O Ministério Público pediu a prisão preventiva de um alegado traficante de armas, invocando perigo de fuga, mas o juiz Ivo Rosa (que tem nas mãos o caso Sócrates) discordou. O suspeito fugiu mesmo.

Juiz Ivo Rosa

Nuno Pinto Fernandes/Globalimagens

O juiz Ivo Rosa, a quem foi atribuída por sorteio a instrução da operação Marquês (que envolve entre José Sócrates e Ricardo Salgado, entre outros), decidiu não ordenar a prisão preventiva de André Rozário, um brasileiro detido por alegadamente vender na internet metralhadoras e outras armas de guerra transformadas em oficinas da margem sul. O magistrado judicial contrariou assim o pedido do Ministério Público, que invocava risco de fuga. O Ministério Público recorreu para o Tribunal da Relação, que lhe deu razão e ordenou a prisão preventiva do traficante, mas este já tinha fugido do país, segundo notícia avançada pelo Correio da Manhã, na edição desta segunda-feira.

André Rozário era o mais importante numa rede de tráfico de armas que envolvia três agentes da PSP e um militar da GNR, quando foi descoberto no seguimento da operação Desarme, da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária.

O alegado traficante era cliente da AFG Defense, uma empresa sedeada na Eslováquia e responsável por fabricar e adquirir armas ligeiras e pesadas provenientes da Guerra dos Balcãs. A empresa exportava para vários países da Europa, através da internet. De modo a que este fosse um negócio considerado legal, a venda das armas era feita sob a forma de armas de alarme.

Com 29 anos, André Inácio Rozário operava a partir de oficinas na Margem Sul do rio Tejo no tráfico internacional de armas de guerra, usando nomes e moradas falsos. Em causa está a venda de metralhadoras, pistolas-metralhadoras e pistolas de calibre 9 mm, proibidas a civis, que transformava e vendia na internet, no mercado negro.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jovens

Nos desculpem, queridos millennials /premium

Ruth Manus

Millennials, nos desculpem. Tem uma parcela de culpa de todo mundo nisso. Dos pais, da escola, do mercado de trabalho, da indústria, das redes sociais. E, sim, temos coisas a aprender com vocês.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)