PS

Candidato socialista à Comissão Europeia dá Portugal como exemplo de sucesso

262

O candidato socialista à presidência da Comissão Europeia, Frans Timmermans, falou do Governo de António Costa como modelo a seguir na Europa.

AFP/Getty Images

“Olhem para a mudança radical de ambiente em Portugal”. Foi esta a frase que Frans Timmermans reservou para o Governo de António Costa no seu discurso desta terça-feira. O comissário holandês falava à imprensa depois de ter ficado a saber que a sua candidatura à presidência da Comissão Europeia seria a única no seio dos socialistas europeus. Ontem, o eslovaco Maros Sefcovic desistiu e deixou Timmermans sozinho na corrida. Na primeira intervenção depois da retirada do adversário, quis destacar Portugal e Espanha. Dois exemplos que podem “devolver a esperança” aos socialistas europeus.

Os dois países ibéricos foram os únicos que mereceram uma menção na sua curta declaração – são hoje dos poucos governos liderados por socialistas na Europa. O foco de Timmermans foi o combate ao crescimento dos nacionalismos e a “necessidade” de apresentar, como alternativa, um projeto sólido e coerente, que permita aos eleitores confiar num continente unido e não num “ajuntamento de pequenos estados com fronteiras e regras próprias”.

Este contexto, entende, reveste as próximas eleições para o Parlamento Europeu, que acontecem em maio do próximo ano, de uma importância única. “Será o ato eleitoral mais importante desde 1979 [ano das primeiras eleições europeias]”, afirmou.

Identificou os problemas da União Europeia, mas não ilibou de culpas os socialistas europeus. “Devemos ser muito críticos sobre o que fizemos no passado e precisamos de melhorar a forma como trabalhamos. É necessário criar um projeto que abra caminho para que se alcance uma sociedade mais justa”, disse Timmermans. O combate ao nacionalismo terá de ser feito paralelamente. “É preciso combater os políticos que defendem os ideais nacionalistas e não os eleitores que, por desespero, lhes confiam o voto”, concluiu.

O holandês passa assim a ser o spitzenkandidat dos socialistas europeus. Na prática, significa que se a família socialista europeia for a mais votada nas próximas eleições europeias, Timmermans será o nome indicado pelo Parlamento Europeu para presidir à Comissão Europeia.

O papel de António Costa na “solução de candidato único”

Já ontem, através de comunicado, o líder do Partido Socialista Europeu (PSE), Sergei Stanishev, se tinha congratulado com o facto de os socialistas já terem encontrado o seu candidato. Sobretudo em vésperas de o Partido Popular Europeu (PPE) escolher o seu representante. Os partidos de centro-direita europeus reúnem-se em Helsínquia esta semana – dias 7 e 8 – para escolher entre Manfred Weber e Alexander Stubb. Na nota, Stanishev dedicou um agradecimento particular a António Costa.

Gostaria de agradecer a todos os líderes e partidos membros do PSE pelo seu contributo para o processo do candidato comum, e estou particularmente grato ao primeiro-ministro português e líder do PS Portugal, António Costa, que conduziu o diálogo”, escreveu Stanishev.

O presidente do PSE está confiante e assegura que o partido tem “um forte candidato, Frans Timmermans”, alguém que “representa uma mudança de direção para a Europa e irá colocar a justiça social, a igualdade e a sustentabilidade no coração do programa eleitoral” dos socialistas europeus.

O holandês Frans Timmermans, que é atualmente vice-presidente da Comissão Europeia, liderada por Jean-Claude Juncker, será confirmado como spitzenkandidat no Congresso do PSE, que se realiza entre 6 e 7 de dezembro em Lisboa.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)