Eleições Europeias

Rangel mantém voto de silêncio sobre Europeias: “Nem me incluo, nem me excluo”

Rangel recusa-se a dizer se aceitará ser cabeça de lista do PSD às Europeias, mas acredita que o partido pode ganhar se fizer "as escolhas certas". O eurodeputado concorda com timings de Rio.

Paulo Rangel é vice-presidente do Partido Popular Europeu

JOSÉ COELHO/LUSA

Dizem os dizeres populares que não há duas sem três. Paulo Rangel é vice-presidente do Partido Popular Europeu e uma das figuras mais consensuais para ser candidato pela terceira vez consecutiva como cabeça de lista do PSD às Europeias –quer na ala passista, quer junto dos barões ferreiristas/rioistas — mas continua uma espécie de monge de Bruxelas sobre as Europeias. Após insistência do Observador — durante o Congresso do Partido Popular Europeu, que decorre em Helsínquia — respondeu três vezes sobre a escolha do PSD para as Europeias: “Não falo. Não falo. Não falo”. E completou: “Fiz um voto de silêncio sobre o processo eleitoral das Europeias. Não digo que sim, nem que não, nem mais ou menos, nem se estou ou se deixo de estar“. Vai mais uma insistência: exclui-se da candidatura? “Nem excluo, nem me incluo“.

Nada abala o voto do eurodeputado, mesmo que a pergunta seja feita de outras formas e feitios. Ainda assim é nas entrelinhas que dá para ler a opinião de Rangel sobre o assunto nas respostas que vai dando. “Aguardo que o partido faça a sua reflexão, tenho a certeza de que o partido não deixará de falar com os deputados europeus sobre essa matéria no momento oportuno”, disse o eurodeputado e chefe da delegação do PSD em Bruxelas ao Observador.

Nas fintas de Rangel, também há alinhamentos com o líder: “O presidente do partido já indicou que o momento oportuno seria um bocadinho mais tarde do que aquilo que a imprensa gostaria. Aguardo que ele defina essa oportunidade”. Sobre se está disponível a ajudar o partido nas Europeias, Rangel é claro: “Sempre estive disponível para ajudar o partido, portanto, não é agora que não vou estar.” O que não significa que seja como cabeça de lista, mas também não significa o contrário.

“Confio no PSD em geral e confio no doutor Rui Rio”, diz Rangel sobre a escolha que será feita para cabeça de lista. Sobre o eventual sucesso do partido nestas eleições, Rangel também é claro, mas deixa margem a mais leitura nas entrelinhas: “O PSD tem condições para ganhar as eleições. Será um combate difícil, mas fazendo as escolhas certas e a campanha adequada, o PSD está em condições de ganhar as eleições. O PSD nunca vai a eleições para perder. E não vai a essas para perder. Seja quem for o candidato”. O eurodeputado avisa ainda que se o PSD “ganhar será uma boa rampa de lançamento para as legislativas.”

Rangel falava com o Observador acerca do Congresso do PPE, que decorre desde quarta e termina esta quinta-feira em Helsínquia. O vice-presidente do PPE diz que este não é “um congresso difícil” e “o único” acontecimento que poderia de “alguma maneira fazer algum ruído é a intervenção de Orbán, que é uma coisa que, no seio do PPE, é bastante divisiva“.Isto porque, embora “todos tenham uma atitude crítica, uns entendem que deve haver diálogo, outros entendem que o PPE já devia ter tido uma posição mais dura.”

Para o eurodeputado do PSD, o que faz o momento difícil não é o congresso, mas as escolhas que se avizinham, pois considera que as “eleições para os partidos pró-europeus, como é o caso do PPE, como será o caso dos liberais, dos socialistas, são eleições muito desafiantes”. Paulo Rangel destaca que existe, no mínimo, “uma nuvem de incerteza muito grande sobre qual é o resultado que vão ter as forças populistas e em particular as mais eurocéticas, qual é o peso que vão ter no futuro parlamento, e qual é o grau de fragmentação que vai haver no Parlamento  isso, realmente, é uma coisa que preocupa.”

“Timmermans é o testa de ferro de Dijsselbloem”

Paulo Rangel elogia o processo do PPE de escolha do candidato, entre Manfred Weber e Alexander Stubb, e ataca os socialistas europeus por terem um candidato único no processo de Sptizenkandidat (escolha do candidato a presidente da Comissão Europeia). Para o eurodeputado do PSD, “o PPE é o único partido europeu que está a fazer um processo transparente de escolha dos candidatos”, isto porque “o PS já foi outra vez para o critério eurocrático da escolha unânime feita pelos líderes, já só tem um que é o Timmermans, como aconteceu com Schulz”. E acrescenta: “Não funciona a democracia europeia nos outros partidos”.

Sobre os candidatos, Rangel tem uma posição similar à de Rio. O chefe da delegação do PSD em Bruxelas explica que “o PSD fez uma opção por Manfred Weber, essencialmente muito orientada não apenas para a sua expressão europeia, mas para a sua capacidade de, se quiser, construir pontes”. Apesar disso, Rangel destaca que “se Stubb ganhar as eleições, o que é improvável, mas não  impossível, teríamos também um muito bom candidato“.

Há cinco anos, contra Jean-Claude Juncker, Michel Barnier, atual negociador da UE no Brexit, teve cerca de 40% dos votos. Agora, Rangel acha difícil que Stubb atinja esses valores, mesmo com o “free vote“. Ainda assim, acha que Stubb ganhou “estatuto europeu”: “Era uma personalidade discreta na Europa, mas tem sido uma campanha muito bem sucedida e eu acho que ele se tornou uma personalidade europeia. Ele será, em todo o caso, uma personalidade incontornável para o futuro”.

Para Rangel, Stubb “ganha créditos para estar na Comissão, para exercer alguma função, como, por exemplo, exerce Barnier agora com o Brexit. Pode vir a ser presidente do Parlamento Europeu, do PPE, sem dúvida que ganhou um estatuto na Europa que antes não tinha”.

Sobre o facto de os socialistas escolherem Frans Timmermans, o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros holandês, para candidato à Comissão Europeia, Rangel é muito crítico. Desde logo, quando Timmermans disse que o Governo de Costa é um exemplo a seguir, Rangel comentou que isso só pode significar que “conhece mal o exemplo português”.

Rangel lembra que “Timmermans é o homem, é o testa de ferro, de Djesselbloem. Os socialistas portugueses com um candidato como Timmermans vão ter muito que explicar”. E acrescentou:”O Partido Socialista Holandês é dos partidos que mais mal fez a Portugal e nós que estávamos responsáveis pelo Governo da troika sabemos bem o que eles nos fizeram. Era bom que o senhor Timmermans se lembrasse quais eram as suas posições quando era ministro dos Negócios Estrangeiros na Holanda e quais eram as posições de Djesselbloem quando Portugal estava a sofrer. Isso é que era importante lembrar. Timmermans pode vir agora branquear história, mas não vai conseguir.”

O jornalista do Observador viajou a Helsínquia a convite do Partido Popular Europeu.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Texto de Rui Pedro Antunes (em Helsínquia).
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Assembleia Da República

Paridades

Luis Teixeira

Eu já decidi: o meu voto vai para o primeiro partido que apresente uma lista só de homens ou só de mulheres, em que metade deles (ou delas) se declare do género oposto para efeitos civis e políticos.

Política

Salazar /premium

Helena Matos

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)