PSD

Silvano nega ter pedido que lhe registassem presença e pede a PGR que abra investigação

685

José Silvano volta a tentar explicar faltas: nega ter pedido que lhe registassem presenças, pede à PGR para investigar e sugere que está a ser alvo de ataque por ser membro da direção de Rio.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Convocou os jornalistas para uma “declaração sem direito a perguntas”, sentou-se na sala das conferências de imprensa do Parlamento e leu um comunicado. Quando acabou, saiu da sala ignorando as perguntas que lhe eram dirigidas. Em mais uma tentativa de explicar o caso das presenças-fantasma no parlamento, José Silvano defendeu-se como “um homem honrado”, negou ter pedido a qualquer colega para que registasse a sua presença no plenário nos dias em que esteve ausente, e sugeriu que só estava a ser alvo da atenção mediática por ser secretário-geral de Rui Rio. No fim, até pediu à Procuradoria-Geral da República que investigasse o caso, se é que não está já a fazê-lo: “Quem não deve, não devia temer”.

Sobre a reincidência desta quarta-feira, em que José Silvano, já sob grande atenção mediática, foi à comissão parlamentar de Transparência assinar presença mas sem assistir aos trabalhos, nada disse.

“Quero afirmar que não pedi a ninguém que registasse a minha presença no plenário da Assembleia da República — tal como estou convencido de que nenhum outro deputado o terá feito, mesmo quando no exercício de cargos executivos de direção partidária ao longo de anos”, começa por dizer, deixando no ar a dúvida sobre como é que alguém entrou nos computadores do plenário com a sua password para registar a presença, sendo que o deputado estava ausente (segundo noticiou o Expresso este sábado, tal aconteceu por duas vezes no mês de outubro).

Para José Silvano, uma coisa é certa: “legalmente e eticamente nada há a apontar”. “Não registei a minha presença, não mandei registar, não auferi vantagem monetária”, disse. Já esta terça-feira, através de um breve comunicado, Silvano tinha garantido não ter recebido qualquer montante indevidamente (ajudas de custo) mas não tinha explicado como é que a sua password foi introduzida num computador do plenário para motivos de registo de presença.

O caso agravou-se quando os serviços da Assembleia da República confirmaram, esta semana, que a password “pessoal e intransmissível” do deputado José Silvano tinha sido usada por terceiros para registar a sua presença no plenário, e ganhou mais contornos mediáticos quando Rui Rio, que foi eleito líder do PSD a prometer “um banho de ética” na política, desvalorizou os episódios classificando-os como “pequenas questiúnculas”. Esta quinta-feira, depois de ter reiterado a confiança política no seu secretário-geral, Rui Rio, que se encontrava em Helsínquia no congresso do PPE, recusou-se a responder — em português — a mais questões sobre o tema: chutou as perguntas dos jornalistas para canto, e em alemão.

Esta quinta-feira, na declaração aos jornalistas, José Silvano recordou que, a avaliar pelo que foi noticiado ontem, a PGR estará a averiguar a possibilidade de abrir uma investigação ao caso das suas faltas, e apoiou totalmente a iniciativa. “Caso a notícia de que a PGR está a averiguar a possibilidade de investigar não seja verdade, sou eu próprio que reclamo publicamente que a PGR abra um processo de averiguações no sentido de rapidamente dar início a uma real investigação se este episódio não ficar devidamente esclarecido”, disse.

Silvano sugere que está a ser alvo de ataque apenas por ser membro da direção de Rio

O secretário-geral do PSD sublinhou que “quem não deve não teme, ou nos tempos de hoje se calhar deve ser dito não devia temer”. Numa tentativa de limpar a sua imagem, disse que se considerava “um homem honrado, com mais de 30 anos de vida pública”. E é aí que sugere que só está a ser alvo deste tipo de atenção mediática por ser parte da direção de Rui Rio.

Nunca ninguém me apontou qualquer irregularidade até ter aceitado desempenhar o cargo de secretário-geral do PSD na direção de Rui Rio”, disse, sublinhando que, “dada a dimensão mediática que o episódio atingiu”, ele é “o primeiro a querer que tudo seja rapidamente esclarecido”.

Silvano explica ainda que apenas não tomou esta posição mais cedo porque “nunca imaginou” que o episódio “pudesse chegar ao patamar mediático onde chegou atingindo a [sua] dignidade de forma direta e indireta”.

Sobre a alegada investigação da PGR às suas falsas-presenças, o deputado social-democrata ainda acrescenta que não só deseja que a investigação se faça, como deseja que se faça rápido porque “deixar as situações suspensas no tempo só serve para a materialização de uma perversa condenação pública por inação“.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
249

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

Governo

Portugal atrasado, Portugal adiado

Tiago Sousa Dias
100

O que sabemos é que há polícias a dormir em carros porque não têm dinheiro para pagar a renda de casa nos nossas cidades. O que sabemos é que há enfermeiros com as vidas congeladas e salários indignos

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)