PSD

Silvano justifica dinheiro recebido, mas não explica presença fantasma no Parlamento

756

Secretário-geral do PSD garante que não recebeu indevidamente dinheiro do parlamento, mas não explica presença fantasma no plenário. Quanto a isso, diz apenas que já pediu para lhe marcarem falta.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

É a explicação prometida, mas sem explicar o essencial: como é que alguém registou a sua presença no plenário nos dois dias em que esteve ausente. José Silvano, o deputado e secretário-geral do PSD que está debaixo de fogo depois de o jornal Expresso ter noticiado duas presenças fantasma no Parlamento no mês de outubro, emitiu um comunicado a explicar-se. É aí que começa por justificar que tinha direito ao subsídio diário de trabalho mesmo sem marcar presença no plenário, e onde acaba por dizer que já pediu aos serviços da Assembleia da República para lhe registarem falta nos dias em questão: 18 e 24 de outubro. Mas sobre o facto de algum colega ter acedido ao seu registo eletrónico, nem uma palavra.

“Sobre o recebimento de senhas de presença nos supostos dias de falta, cumpre esclarecer que as mesmas são devidas legalmente caso tenha existido nesses mesmos dias presença em outras atividades parlamentares. Assim, no dia 18 de outubro, assinei o livro de presenças da reunião do grupo parlamentar do PSD, ocorrida nessa manhã, o que confere o direito ao pagamento da senha desse dia. Quanto ao dia 24, pelas 10h, presidi à reunião da 1ª comissão no Parlamento, o que, só por si, conferia também direito à senha de presença respetiva”, começa por dizer José Silvano, justificando dessa forma que não é correto dizer que apenas registou presença no plenário para receber o respetivo montante (69 euros diários).

São, portanto, falsas as notícias que dão nota de que os registos nos plenários de 18 e 24 de outubro tiveram como motivo o recebimento de verbas não devidas”, escreve.

No final do comunicado, José Silvano diz ainda que já dirigiu um requerimento ao Presidente da Assembleia da República “solicitando que fossem marcadas as respetivas faltas”, acrescentando que justificou nesse mesmo requerimento as razões para que tal procedimento ainda não tivesse ocorrido. Justificações essas que não dá conta na nota emitida à imprensa.

O que o secretário-geral do PSD não explica é como é que algum colega de bancada entrou no computador com a password “pessoal e intransmissível” de José Silvano para registar a sua presença. Esta terça-feira, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, deu conta numa nota à imprensa de que pediu esclarecimentos aos serviços do Parlamento sobre a situação de José Silvano, tendo os serviços confirmado que “outra pessoa que não o senhor deputado José Silvano” usou a “password” daquele deputado para registar a sua presença.

É isso que o social-democrata não justifica. No comunicado, o deputado e secretário-geral do PSD justifica, contudo, que se passa “pouco tempo” no parlamento (ou apenas “marca o ponto”, como tinha dito ao Expresso), é porque “existe uma prática parlamentar que permite conciliar a atividade política intensa dos dirigentes nacionais dos partidos políticos, nunca descurando as questões relevantes para o país, com a atividade parlamentar quotidiana”. “Esta prática é extensiva a todos os partidos políticos há muitos anos, caso contrário um líder partidário nunca poderia ser deputado”, diz ainda.

Negrão disse a Ferro que nada tinha a ver com o assunto

Na nota emitida esta terça-feira, Ferro Rodrigues tinha passado a bola ao deputado e à direção da bancada parlamentar do seu partido. Questionado pelo Observador, contudo, o líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, volta a insistir na ideia de que a questão diz apenas respeito “ao deputado” e à relação entre “o deputado e o eleitor” que o elegeu. Ou seja, Negrão deu conta a Ferro Rodrigues que nada tinha a ver com o assunto.

“A direção do grupo parlamentar tem como tarefa organizar politicamente os trabalho do grupo. Qualquer outra situação cabe no âmbito da relação entre o deputado e o eleitor”, começa por dizer numa resposta enviada ao Observador.

É nesse sentido que Fernando Negrão diz que, depois de ter recebido a missiva do presidente da Assembleia da República, limitou-se a “enviar o expediente para o deputado José Silvano, informando disso o presidente da Assembleia da República e dando-lhe conta das razões”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

PSD

Onde vais Rio que eu canto /premium

Alberto Gonçalves
1.824

O dr. Rio passou pelo Colégio Alemão, pela Faculdade de Economia e pela vida em geral e, não obstante, conseguiu chegar aos 60 anos convencido de que o PSD é um partido de esquerda.

Política

Salazar /premium

Helena Matos

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)