PSD

Rio responde em alemão sobre Silvano: “Ich weiss nicht was sie sagen”

2.467

O presidente do PSD respondeu aos jornalistas portugueses em alemão enquanto escapava para a sala do Congresso. Sobre o MP estar analisar o caso Silvano disse: "Não sei o que estão a falar". Em alemão

ESTELA SILVA/LUSA

Primeiro foi iogurte, agora é Berlim. Rui Rio não escondeu o desconforto com o caso Silvano no segundo dia do Congresso do PPE. Ao entrar no centro de congressos Messukeskus, em Helsínquia, o presidente do PSD respondeu às perguntas sobre o secretário-geral em alemão. Confrontado pelos jornalistas portugueses em Português, Rio só falou na língua estrangeira. Começou por perguntar, em alemão: “Bom dia, dormiram bem?” Após as primeiras perguntas, acrescentou no mesmo registo: “Hoje não preciso de falar”. Quando a pergunta foi mais séria, sobre o facto do Ministério Público estar a analisar o caso José Silvano, Rio voltou a responder em alemão: “Ich weiss nicht was sie sagen”. Em português: “Não sei do que estão a falar.”

As perguntas foram feitas enquanto Rio se ia a escapar e, após um jornalista perguntar ao presidente do PSD se não ia falar português, este respondeu novamente em alemão a dizer: “De todo. Não. De todo.” E despediu-se novamente em alemão: “Adeus”.

Oiça o som do momento insólito:

Na quarta-feira, na intervenção no Congresso, Rio optou por falar em alemão, mas aí tinha uma justificação: não podia falar português e tinha de optar por espanhol, inglês, francês e o alemão, a língua que se sente mais confortável.

Já na quarta-feira, no primeiro dia de Congresso em Helsínquia, Rui Rio recorreu a uma metáfora com laticínios para fugir às questões sobre o secretário-geral do PSD, José Silvano, que continua sem explicar como teve uma presença fantasma no hemiciclo. “As minhas palavras não são como os iogurtes, que têm uma validade de 30 dias, têm uma validade prolongada”, disse o presidente do PSD à chegada do Congresso do Partido Popular Europeu, em Helsínquia. Rio dizia que, para saberem a sua opinião, os jornalistas só precisariam de rebobinar o que disse nos últimos dias, em que reduziu o caso a uma “pequena questiúncula”. Para Rio nada mudou desde que falou já que as suas palavras “só se alteram quando se alteram as circunstâncias”. Ou seja: está satisfeito com as justificações dadas por Silvano.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Texto de Rui Pedro Antunes (em Helsínquia).
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

PSD

Onde vais Rio que eu canto /premium

Alberto Gonçalves
1.824

O dr. Rio passou pelo Colégio Alemão, pela Faculdade de Economia e pela vida em geral e, não obstante, conseguiu chegar aos 60 anos convencido de que o PSD é um partido de esquerda.

Política

Salazar /premium

Helena Matos

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)