Rádio Observador

Língua Portuguesa

“Toupeira”, “paiol” e “populismo” entre as dez candidatas a “Palavra do Ano”

139

Os dez vocábulos candidatos a "Palavra do Ano" foram revelados este sábado. A seleção volta a resumir o ano que passou, em Portugal e também no mundo. Iniciativa da Porto Editora vai na 10ª edição.

A polémica operação "E-toupeira" não passou despercebida aos portugueses na hora de sugerir uma candidata a "Palavra do Ano"

Getty Images/iStockphoto

O final do ano é o período das listas por excelências — das listas dos melhores livros, dos melhores álbuns, dos melhores momentos, dos piores, e também das dez candidatas a “Palavra do Ano”, iniciativa da Porto Editora que regressa para mais um ano. A lista, constituída por dez vocábulos da língua portuguesa, foi divulgada ao final da tarde deste sábado pelo grupo editorial, que criou a iniciativa há nove anos.

Entre as escolhas dos linguistas da Porto Editora, feitas com base em sugestões enviadas pelos portugueses, contam-se este ano palavras como assédio, extremismo, paiol, populismo ou toupeira. Tal como em anos anteriores, tratam-se de vocábulos que resumem bem o que de mais importante se passou em Portugal e no mundo em 2018, prestes a terminar. As dez palavras, com as devidas explicações do grupo editorial, são as seguintes:

  1. Assédio: “Movimentos como o ‘Me Too’ colocaram o tema do assédio sexual na agenda, com vários casos envolvendo figuras públicas”;
  2. Enfermeiro:Os enfermeiros reclamam aumentos salariais, uma progressão mais rápida na carreira e a contratação de mais profissionais”;
  3. Especulação:A especulação imobiliária atingiu níveis alarmantes nas grandes cidades e gerou um grande debate, nomeadamente sobre a polémica ‘taxa Robles'”;
  4. Extremismo: “São cada vez mais frequentes as manifestações de intolerância e radicalismo, nomeadamente no espaço europeu, o que justifica uma crescente preocupação”;
  5. Paiol: “O caso do desaparecimento das armas do paiol de Tancos conheceu desenvolvimentos surpreendentes ao longo do ano, estando ainda por esclarecer completamente”;
  6. Populismo: “O discurso marcadamente populista tomou de assalto o debate público um pouco por todo o mundo, alimentando o surgimento de movimentos e líderes políticos que já conquistaram o poder em vários países”;
  7. Privacidade: “O Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) entrou em vigor em maio de 2018 com uma série de novas medidas para defesa da privacidade dos cidadãos, na relação com empresas e instituições públicas ou privadas”;
  8. Professor: “Os professores continuam a lutar pela contabilização da totalidade do tempo de serviço prestado durante o congelamento de carreiras”;
  9. Sexismo: “Esta forma de discriminação de pessoas ou grupos com base no seu sexo tem vindo a ser crescentemente denunciada, com vários casos mediáticos a alimentarem a discussão pública e a condenação social”;
  10. Toupeira: “A suspeita de que um clube de futebol nacional dispunha de uma rede de informadores no interior do sistema de Justiça pôs em marcha a chamada ‘Operação e-toupeira'”.

A partir deste sábado, os portugueses vão poder votar na sua palavra favorita. A votação irá decorrer até ao último segundo do último dia de 2018, no site da “Palavra do Ano”. A vencedora será anunciada, como é costume, no início do próximo ano. No ano passado, foi incêndio, que recebeu 37% dos votos, que ficou em primeiro lugar. Em segundo e terceiro lugares ficaram afeto e floresta, com 20% e 14% das preferências, respetivamente.

A iniciativa “Palavra do Ano” foi lançada em 2009 pela Porto Editora e “tem como principal objetivo sublinhar a riqueza lexical e o dinamismo criativo da língua portuguesa, património vivo e precioso de todos os que nela se expressam, acentuando, assim, a importância das palavras e dos seus significados na produção individual e social dos sentidos com que vamos interpretando e construindo a própria vida”.

Este ano celebra-se a décima edição da votação, que teve a palavra esmiuçar, termo popularizado pelos “Gato Fedorento”, como a primeira grande vencedora em 2009. Este primeiro vocábulo foi eleito por um grupo de linguistas da Porto Editora, sendo que só no ano seguinte, em 2010, é que se começou a seguir o método de seleção de um primeiro conjunto de dez, usado até hoje.

Votação da “Palavra do Ano” em Moçambique já começou

Em Angola, já foram reveladas as dez candidatas a “Palavra do Ano”, título que no ano passado foi atribuído ao termo tseke, uma “planta herbácea de rebentos e folhas comestíveis que ganhou notoriedade quando o governo recomendou aos moçambicanos a aposta na sua produção como uma forma de reduzir a pobreza e a fome no país“. As dez candidatas são as seguintes: acidente, autárquicas, desbarato, gás, marandza (termo muito utilizado nas redes sociais para designar “uma mulher tida por interesseira”), reassentamento, resiliência, selecção, sida e terrorismo. A votação já está em curso no site da iniciativa.

Em 2016, pela primeira vez desde a criação da “Palavra do Ano” em 2009, a iniciativa foi aberta a Moçambique e Angola, onde é organizada pela Plural Editores (uma chancela da Porto Editora que está presente nos dois países há dez anos) com o apoio do Camões — Instituto da Cooperação e da Língua.

Uma vez que já são conhecidas as dez finalistas em Moçambique, ficam por conhecer as candidatas a “Palavra do Ano” em Angola. A grande vencedora de 2017 foi exoneração, palavra que começou a ser muito utilizada após a eleição do presidente angolano João Lourenço que, como explica o site da votação, “ordenou a exoneração de diversos titulares de cargos de administração em empresas públicas e noutros organismos estatais”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Exames Nacionais

Mensagem sem Pessoa 

Beatriz Gomes Artilheiro
667

Sim, o exame teve Pessoa, mais Saramago e Ricardo Reis. Mas não inclui Eça de Queiroz. Crónica de uma aluna enquanto estudava para o exame de hoje de Português do 12º ano. "Valete, fratres". 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)