Rádio Observador

Língua Portuguesa

Portugueses escolhem “Incêndios” como “Palavra do Ano”

203

Na hora de escolher a palavra que melhor define 2017, os portugueses não conseguirem esquecer a tragédia deste verão. A iniciativa "Palavra do Ano", da Porto Editora, celebra a 10ª edição em 2018.

Os incêndios de junho e outubro fizeram mais de 100 mortos, cerca de 350 feridos e provocaram milhões de euros de prejuízos

HENRIQUE CASINHAS/OBSERVADOR

Sem grandes surpresas, a palavra incêndios é a vencedora da iniciativa “Palavra do Ano”, organizada anualmente pela Porto Editora. O anúncio foi feito esta quinta-feira na Biblioteca Municipal Ary dos Santos, em Sacavém, em Loures. Com 37% dos votos, a palavra bateu concorrentes como afeto, floresta ou vencedor, que também seguiam à frente na votação, que decorreu ao longo de todo o mês de dezembro. Em 2017, participaram na iniciativa 30 mil portugueses, mais cinco mil do que em 2016 e mais 10 mil do que em 2015.

Além de incêndios — que se manteve sempre nos lugares de topo durante toda a votação –, faziam também parte da lista de dez finalistas os vocábulos afeto, que ficou em segundo lugar com 20% dos votos, floresta (14%), vencedor (8%), crescimento (5%), cativação (5%), desertificação (4%), gentrificação (3%), peregrino (3%) e independentista, escolhido por 1% dos votantes.

A lista de finalistas foi selecionada pela Porto Editora, que organiza a iniciativa desde 2009, com base nas propostas feitas pelos portugueses no site da iniciativa, entre maio e outubro, e “no acompanhamento da realidade da língua portuguesa, observando os meios de comunicação, as redes sociais e os registos de consultas dos dicionários online e mobile“. Em 2016, a “Palavra do Ano” foi geringonça, a expressão usada para designar a coligação parlamentar que apoia o atual Governo. O vocábulo foi escolhido por 25 mil portugueses que, durante o mês de dezembro, votaram numa das dez concorrentes.

A iniciativa “Palavra do Ano” foi lançada em 2009 pela Porto Editora e “tem como principal objetivo sublinhar a riqueza lexical e o dinamismo criativo da língua portuguesa, património vivo e precioso de todos os que nela se expressam, acentuando, assim, a importância das palavras e dos seus significados na produção individual e social dos sentidos com que vamos interpretando e construindo a própria vida”. Desde então, já foram eleitos os vocábulos esmiuçar (2009), vuvuzela (2010), austeridade (2011), entroikado (2012), bombeiro (2013), corrupção (2014), refugiado (2015) e geringonça (2016). Em 2018, irá realizar-se a 10ª edição da iniciativa, uma data que o grupo editorial garante que não passará em branco.

Tseke é a palavra do ano em Moçambique. E em Angola?

Em 2016, pela primeira vez desde a criação da “Palavra do Ano” em 2009, a iniciativa foi aberta a Moçambique e Angola, onde é organizada pela Plural Editores (uma chancela da Porto Editora que está presente nos dois países há dez anos) com o apoio do Camões — Instituto da Cooperação e da Língua.

A edição deste ano já decorreu nos dois países, faltando, contudo, anunciar a palavra vencedora em Angola. Em Moçambique, o título de “Palavra do Ano” foi para tseke, uma “planta herbácea de rebentos e folhas comestíveis que ganhou notoriedade quando o governo recomendou aos moçambicanos a aposta na sua produção como uma forma de reduzir a pobreza e a fome no país“, refere o site da iniciativa. Em 2016, a “Palavra do Ano” em Moçambique foi paz, numa referência ao fim dos confrontos entre as Forças de Defesa e Segurança moçambicanas e o braço armado do maior partido da posição, a RENAMO.

Em Angola, a palavra de 2017 só será anunciada a 30 de janeiro, numa cerimónia a decorrer no Centro Cultural Português, em Luanda. Em 2016, a escolha recaiu sobre crise, palavra que fez parte do vocabulário dos angolanos durante todo o ano. A “crise económica e financeira que o país atravessa, agravada pela baixa do preço do petróleo no mercado internacional, foi um tema inevitável ao longo do ano”, pode ler-se no site da iniciativa em Angola.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Exames Nacionais

Mensagem sem Pessoa 

Beatriz Gomes Artilheiro
667

Sim, o exame teve Pessoa, mais Saramago e Ricardo Reis. Mas não inclui Eça de Queiroz. Crónica de uma aluna enquanto estudava para o exame de hoje de Português do 12º ano. "Valete, fratres". 

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
467

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)