Rádio Observador

Mário Centeno

Mário Centeno anuncia acordo sobre reforma da zona euro

Os ministros das Finanças da União Europeia chegaram a acordo sobre a reforma da zona euro, após 18h de negociações. De acordo com o presidente do Eurogrupo, o plano vai fortalecer o euro.

"Depois de vários meses de intensas negociações e de uma reunião difícil, chegámos a um acordo sobre um plano para fortalecer o euro", anunciou Mário Centeno

STEPHANIE LECOCQ/EPA

Os ministros das Finanças da União Europeia chegaram a um acordo sobre a reforma da zona euro, após 18 horas de negociações, anunciou esta terça-feira o presidente do Eurogrupo, Mário Centeno.

Em conferência de imprensa, no final de uma maratona negocial de 18 horas que teve início na tarde de segunda-feira em Bruxelas e que se prolongou madrugada dentro, Centeno anunciou: “Devo dizer que conseguimos. Depois de vários meses de intensas negociações e de uma reunião difícil, chegámos a um acordo sobre um plano para fortalecer o euro. Um plano que tem o aval de todos nós”.

Precisamente um ano depois de ter sido eleito presidente do fórum dos ministros das Finanças da zona euro, o ministro português alcançou o progresso mais significativo para completar a reforma das instituições da zona euro, aquela que apontou como a grande prioridade da sua presidência.

Segundo o Financial Times, foram horas de muita disputa, arrastar de pés e múltiplas versões diferentes, à procura de um documento final que satisfizesse as exigências de Paris, Roma, Berlim e Holanda.

O acordo prevê um reforço da União Bancária da zona euro, dando-lhe mais capacidade financeira, e, por outro lado, o fundo de resgates da zona euro — o Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) — passa a ter mais flexibilidade para ajudar os países a resistir a momentos de maior turbulência nos mercados financeiros, incluindo através da sua utilização não só para resgates público mas, também, para intervenções na banca.

O presidente francês, Emmanuel Macron, também conseguiu abertura para que se continue a negociar o futuro orçamento europeu, um dos temas mais contenciosos no Eurogrupo e que terá contribuído para o que Mário Centeno considerou ter sido uma “negociação muito tensa e esgotante”. A Holanda tem sido um dos principais opositores desta medida, que Paris quer introduzir por defender que terá um efeito “estabilizador” para as economias do euro (o que será especialmente importante em momentos de recessão económica).

Na cimeira europeia da próxima semana, voltará a ser discutido este orçamento “para a convergência e competitividade”. Mas ainda é cedo para dizer que já existe um acordo final para que esse orçamento possa funcionar como um “estabilizador automático”, um pouco à imagem do que acontece nos diferentes estados que compõem os EUA.

“Não atingimos uma visão comum sobre a necessidade e a conceção de tal mecanismo. As discussões técnicas vão continuar”, adiantou Mário Centeno. “Isto não é o fim da estrada”, acrescentou o presidente do Eurogrupo, indicando que será necessário reformular o tratado que deu origem ao Mecanismo Europeu de Estabilidade. Isso passa, por exemplo, por ter o Mecanismo Europeu de Estabilidade a escrutinar os orçamentos dos países, algo que até ao momento só a Comissão Europeia é que faz.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)