Governo

Caso Galpgate. Três ex-secretários de Estado não vão a julgamento

1.228

O Ministério Público não vai acusar os três ex-secretários de Estado que foram a França ver jogos de futebol a convite da Galp avança a edição desta segunda-feira do jornal i.

LUSA/LUSA

Os três secretários de Estado que se demitiram no ano passado na sequência do caso dos convites para assistirem a jogos de futebol do Euro 2016 em França não vão a julgamento, noticia esta segunda-feira o jornal i (link indisponível).

Os ex-governantes e outros arguidos no caso vão, em vez de serem acusados pelo Ministério Público, pagar uma multa entre os 600 e os 4.500 euros, escreve o mesmo jornal, sendo que o valor mais alto será aplicado aos três ex-secretários de Estado: Fernando Rocha Andrade, João Vasconcelos e Jorge Costa Oliveira.

Segundo o jornal i, o Ministério Público considerou que não existia base para acusar os três ex-secretários de Estado que viajaram, a convite da Galp, para França, para assistirem a jogos de futebol da Seleção Nacional para o Euro 2016.

Para já, a Procuradoria-Geral da República disse à agência Lusa que “aguarda-se a concordância do juiz de instrução criminal relativamente à decisão do Ministério Público (MP) de suspender provisoriamente o processo em relação a alguns arguidos”.

O caso ocorreu numa altura em que o Governo se preparava para aprovar um código de conduta para situações deste género — que viria a determinar que os governantes não podem aceitar ofertas com valor superior a 150 euros nem outras que “possam ser fornecidas na expectativa de troca de uma qualquer contrapartida ou favorecimento”.

Ora, na mesma altura, a Galp tinha ainda um diferendo em aberto com o Estado português relacionado com a recusa em pagar um imposto — conflito esse que em tese poderia ser resolvido por Fernando Rocha Andrade, à época secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)