O número de mortos no atentado no interior de uma catedral brasileira, na terça-feira, aumentou para seis, incluindo o autor dos tiros, com as autoridades a confirmarem a morte de um dos feridos.

Esta sexta vítima mortal, de 84 anos, estava internado em estado grave, na Unidade de Terapia Intensiva, após ser baleado e ferido no tórax e no abdómen, durante o tiroteio ocorrido na Catedral Metropolitana de Campinas, cidade do interior do estado brasileiro de São Paulo.

O incidente ocorreu no final de uma missa realizada na última terça-feira quando Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos, se levantou de um dos bancos e disparou pelo menos 20 vezes contra fiéis, no interior.

O tiroteio provocou a morte a seis pessoas, incluindo o próprio atirador, que cometeu suicídio depois de ser ferido pela polícia.

Os parentes do homicida contaram à imprensa local que este tratou-se de depressão e temiam que cometesse suicídio.

De acordo com a investigação preliminar, o agressor não tinha antecedentes criminais e agiu sozinho.

“Ele era uma pessoa sem nenhuma suspeita em circunstâncias normais”, disse o delegado José Henrique Ventura, encarregado do caso.

Um dia depois do tiroteio, cerca de 800 pessoas participaram numa missa na Catedral Metropolitana de Campinas, para homenagear as vítimas.