Rádio Observador

EDP

Retoma do pagamento da contribuição por parte da EDP ajuda a baixar preço da luz em 2019

EDP vai voltar a pagar a contribuição extraordinária sobre o setor energético. Valores relativos a 2017 e 2018 ajudam a baixar preço da eletricidade em 2019.

ANDRE DIAS NOBRE / OBSERVADOR

A EDP vai retomar o pagamento da contribuição extraordinária sobre o setor energético (CESE) depois de ter vistas garantidas duas condições que tinha colocado ao Governo.

Em causa estava o reconhecimento de que a CESE é uma taxa temporária de que irá acabar quando terminar a dívida tarifária, mas também a garantia do Executivo de que a receita com esta contribuição ia ser usada para baixar mesmo o défice das tarifas elétricas. A disponibilidade para retomar o pagamento da contribuição já tinha sido admitida pelo presidente executivo da elétrica, António Mexia, precisamente no primeiro evento público em que estiveram Matos Fernandes e João Galamba, os dois novos titulares da pasta de energia.

Em causa está o pagamento da CESE em falta relativa ao ano de 2017, e que foi contestada judicialmente, e a liquidação da contribuição deste ano, num valor total de cerca de 120 milhões de euros. Estes valores serão pagos até ao final do ano e foram já incluídos nas contas finais dos preços da eletricidade para 2019, conhecidos esta segunda-feira, contribuindo para a descida de 3,5%, sabe o Observador. Fonte oficial da elétrica não quis fazer comentários.

A EDP suspendeu o pagamento da CESE em 2017, juntando-se à Galp que nunca pagou esta contribuição desde que foi criada em 2014 pelo anterior Governo. A elétrica argumentava que a CESE, criada como uma taxa extraordinária, estava a prolongar-se no tempo sem fim à vista, o que contrariava compromissos assumidos nomeadamente pelo anterior Executivo. A EDP questionava ainda o facto de a receita da CESE, ao contrário do previsto na lei que a criou, estar a ser toda desviada para as contas do Estado, sem beneficiar o sistema elétrico nem baixar a dívida tarifária.

Com esta decisão da EDP, a REN (Redes Energéticas Nacionais) era a única das grandes empresas de energia que pagava a CESE, apesar da contestar, o que fazia com a que cobrança efetiva ficasse muito abaixo do valor potencial. E a receita entregue pela REN, da ordem dos 30 milhões, não era suficiente para garantir a descida do preço da eletricidade em 2019.

O cenário mudou com as negociações iniciadas no quadro da preparação do Orçamento do Estado de 2019. O Governo, pressionado pelos partidos à esquerda para baixar o IVA da eletricidade, iniciou conversas com a Galp e a EDP para convencer estas empresas a liquidar a CESE, permitindo ao Estado ter receitas para transferir para o sistema elétrico. Tal como o Observador noticiou em primeira mão, este cenário era mais vantajoso para as contas públicas, sobretudo porque o seu efeito era limitado no tempo, ao contrário de uma descida do IVA.

A Galp não aceitou retomar o pagamento, que nunca fez, e em relação ao qual a fatura já ultrapassa os 300 milhões de euros. Mas a EDP prosseguiu com as negociações que começaram ainda antes da remodelação governamental que fez mudar a pasta da energia para o Ambiente. Mas o acordo final só foi obtido depois.

Para a decisão da EDP de retomar o pagamento da CESE foi decisiva a publicação do decreto-lei que altera as regras do Fundo para a Sustentabilidade Sistémica e o qual introduz uma maior flexibilidade na gestão das receitas da CESE que podem ser usadas para baixar a dívida tarifária que em 2019 fica ainda nos 3.217 milhões de euros. O diploma estabelece ainda que a ERSE tenha de produzir um relatório anual sobre o impacto nas tarifas anuais de uso global do sistema aplicável aos clientes finais resultantes da afetação da contribuição extraordinária sobre o setor energético aos CIEG (custos de interesse económico geral), reforçando assim a ligação entre a aplicação desta contribuição e a existência de dívida tarifária.

O Observador tem informação de que haverá outras contrapartidas para a elétrica que não têm que ver com a CESE, como o fim do mecanismo de neutralidade nos preços grossistas entre Portugal e Espanha,  chamado clawback, mas essa informação não foi confirmada.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)