Rádio Observador

Eletricidade

Regulador confirma descida de 3,5% na tarifa regulada de eletricidade em 2019

Regulador da energia confirma descida de 3,5% na tarifa regulada da eletricidade para famílias. Fatura média mensal cai 1,58 euros. Tarifas de acesso às redes baixam 16,7% na baixa tensão.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O regulador da energia confirmou esta segunda-feira uma descida do preço da eletricidade para os clientes domésticos de 3,5% a partir de 1 de janeiro. Para uma fatura média mensal de 45,1 euros, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) estima uma poupança de 1,58 euros.

Esta descida da tarifa transitória é a maior registada desde que foi criado o mercado liberalizado nos anos 90 e abrange diretamente mais de um milhão de consumidores. Mas os efeitos deverão também chegar aos clientes com contrato individual na medida em que foi fixada também quedas de 16,7% na tarifa de acesso às redes na baixa tensão e de 20,2% nas tarifas de uso geral do sistema, onde são contabilizados os custos de interesse económico geral. Apesar da grande magnitude destas variações, o seu impacto no preço final dos mais de cinco milhões de consumidores que estão no mercado liberalizado, será travado pelo agravamento dos custos com a compra de eletricidade no mercado grossista.

Os valores agora divulgados não refletem ainda o impacto da baixa do IVA para a potência contratada mais baixa que não recebeu ainda luz verde da Comissão Europeia.

Os preços finais da eletricidade foram anunciados esta segunda-feira pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos e confirmam uma variação já anunciada pelo ministro do Ambiente e Transição Energética.

Esta descida histórica do preço da eletricidade foi obtida no quadro de uma negociação entre o Governo e os partidos à esquerda, e que passou entre outros fatores com a dedução de 189 milhões de euros ao sobrecusto associado à produção em regime variável, que resultou sobretudo de transferências de receitas com a contribuição extraordinária sobre o setor energético que estavam nas contas do Estado.

Na proposta inicial de preços, conhecida em outubro, a ERSE propunha um aumento de 0,1% nas tarifas para 2019. Mas entre a proposta e fixação dos valores finais, foi publicado um despacho de 29 de novembro a determinar a a redução de 189 milhões de euros dos custos com a produção em regime especial (PRE), e que foi possível graças a transferências de 154 milhões de euros das receitas do Fundo para a Sustentabilidade Sistémica do Setor Energético e de 35 milhões de euros dos leilões de licenças de CO2.

Os grandes beneficiários destas medidas são os consumidores domésticos porque têm sido eles a suportar a fatia de leão dos custos com o apoio às energias renováveis. Para as empresas, que já não tem tarifa regulada, fica aprovada uma descida da tarifa de acesso às redes de 10,6% que não deverá ser suficiente para contrariar o efeito do aumento da fatura energética.

Por outro lado, a redução da dívida tarifária prevista nas contas finais da ERSE é inferior à que estava definida na proposta de outubro, em cerca de 26 milhões de euros.

A ERSE estabelece ainda uma descida de 0,6% para os consumidores domésticos dos Açores e Madeira.

Os consumidores da tarifa social da eletricidade vão continuar a ter direito a um desconto de 33,8% face aos clientes da tarifa transitória, o que equivale nas contas do regulador a menos 13,67 euros numa fatura média mensal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)