Hospital de São João

Falta de condições mantém-se na pediatria do Hospital de São João. Há contentores de lixo guardados em berços

340

Mães continuam a denunciar falta de condições dos contentores onde está temporariamente a pediatria do Hospital de São João, no Porto, onde as crianças são tratadas.

AFP/Getty Images

Os relatos de falta de condições em que crianças estão a ser tratadas no Hospital de São João mantém-se. Numa altura em que se espera que o arranque das obras da nova ala pediátrica esteja para breve, as mães continuam a apontar o dedo a situações que caracterizam como um pesadelo. Entre elas, avança o Jornal de Notícias, está o facto alguns contentores de lixo estarem a ser guardados em cima de berços.

“Foi um pesadelo”, conta Sara Rêgo que esteve nas instalações com o filho de 3 meses, depois de este ter tido um problema cardíaco. “O isolamento térmico não existe. Há fita-cola nas janelas para o frio não entrar. O meu marido chegou a cobrir o menino com o casaco. De noite é como se estivessemos na rua”, contou ao JN.

“É cruel e desumano mandar um bebé tão pequenino para aquele espaço”, conta a mulher de 39 anos, lembrando que quando o seu filho foi transportado entre os contentores onde funciona temporariamente a ala pediátrica e a unidade central do hospital, seguiu numa ambulância antiga e sem que o berço fosse preso. “Era a enfermeira que ia a segurá-lo”, disse.

Já Ana Silva conta que o filho de dois meses passou 17 dias na Pediatria do São João. “Na Neonatologia, o serviço foi fantástico. Quando chegámos à Pediatria vimos um mundo completamente oposto. Não temos espaço e há caixotes do lixo colocados em cima dos berços”, relata, queixando-se também da falta de materiais. Para alimentar o filho tem derecorrer ao uso de uma seringa e se na Neonatologia ela era imediatamente deitada fora, na Pediatria as ordens são para conservá-la durante 24 horas.

A administração do Centro Hospitalar de São João, no Porto, recebeu o anteprojeto da nova ala pediátrica esta semana, prevendo arrancar com as obras no fim do primeiro semestre de 2019, conforme anunciou em comunicado: “O Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário São João informa que a partir de março de 2019, e com a conclusão das obras em curso nos pisos 7 e 8 do edifício central, será possível a transferência de crianças da pediatria oncológica e da pediatria cirúrgica para espaços do edifício central do hospital.”

Acrescenta que “não existindo disponibilidade imediata de espaço para alojar todo o internamento da pediatria médica no edifício central do São João, as crianças deste serviço mantêm-se nas instalações provisórias, até ser encontrada uma solução alternativa adequada”.

Estas instalações serão, entretanto, alvo de obras de remodelação e expansão que permitam dar mais conforto às crianças e jovens internados e respetivos familiares, vincou a unidade hospitalar.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)