Serviço Nacional de Saúde

Maternidade Alfredo da Costa garante escala de anestesista para fim do ano

A administração da Maternidade Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa, garantiu hoje que estão asseguradas as escalas de anestesia para o fim do ano, depois das dificuldades na véspera e no dia de Natal.

Jose Sena Goulao/LUSA

A administração da Maternidade Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa, garantiu hoje que estão asseguradas as escalas de anestesia para o fim do ano, depois das dificuldades na véspera e no dia de Natal. Em resposta à agência Lusa, o Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHLC), que integra a Alfredo da Costa, disse que “estão asseguradas as escalas de anestesia para os dias 31 dezembro e 01 de janeiro”.

Nos dias 24 e 25 de dezembro a urgência da Maternidade Alfredo da Costa (MAC) esteve a funcionar apenas para os casos urgentes, sendo os restantes encaminhados para outros hospitais, estando apenas um anestesista ao serviço. Num comentário a esta situação, a ministra da Saúde afirmou, na segunda-feira em Coimbra, que o caso da falta de anestesistas demonstra a necessidade de se ter um Serviço Nacional de Saúde com profissionais em dedicação exclusiva.

Já hoje, em comunicado, o Ministério disse que tentou contratar externamente um anestesista junto de empresas prestadoras de serviços para garantir a escala nos dias 24 e 25 de dezembro e reafirmou que houve uma proposta de uma empresa para colocar um anestesista na Maternidade Alfredo da Costa por 500 euros à hora.

O Ministério indica que uma das respostas recebidas das empresas à proposta de contratação externa “referia que os vários especialistas contactados não estavam disponíveis para trabalhar pelos valores propostos e incluía ainda a disponibilidade de um anestesista mediante o pagamento de 500 euros por hora”. A Ordem dos Médicos Ordem veio já exigir a apresentação dos documentos ou contratos onde conste “claramente o referido valor”.

“Tais propostas de contratação por 500 euros à hora não existem — a Ordem exige um desmentido tão público quanto o foram estas falsas notícias e reserva-se no direito de recorrer aos tribunais dado o caráter ofensivo e indigno para os médicos como resultado das declarações proferidas”, refere a nota. Segundo a Ordem, o Centro Hospitalar Lisboa Central terá aberto um concurso para contratação de prestadores de serviços, por um valor de 39 euros à hora, que é aliás o que está tabelado por lei.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Na defesa do IPO de Lisboa

Fernando Leal da Costa
550

O IPO de Lisboa, os seus doentes e quem deles cuida, precisam de quem os defenda. Há urgência em contratar pessoal para que se resolver a lista de espera e, sobretudo, que se construa o novo edifício.

Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos
211

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)