Ministério da Saúde

MAC. Ministério diz que só havia anestesistas por 500 euros por hora, Ordem diz que não

142

Ministério da Saúde esclarece que a Maternidade Alfredo da Costa encerrou urgências no Natal porque havia apenas um anestesista disponível a 500 euros por hora. A Ordem contesta e exige provas.

A Maternidade Alfredo da Costa esteve encerrada nos dias 24 e 25 de dezembro por haver apenas um anestesista em escala

Miguel A. Lopes/ LUSA

As urgências da Maternidade Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa, estiveram fechadas na véspera e dia de Natal por falta de anestesistas. O encerramento causou bastante polémica e levou a que as grávidas fossem desviadas para outros hospitais da capital. Agora o Ministério da Saúde vem reafirmar as declarações da ministra sobre a tentativa de contratação de um anestesista por parte da tutela, pagando os valores de referência, conforme explicou esta quinta-feira em comunicado. Tal só não foi possível, adianta a tutela, porque se recusou a pagar os valores pedidos: 500 euros por hora, bem mais elevados que os valores de referência pré-definidos.

A ministra da Saúde, Marta Temido, já tinha feito referência à existência de uma proposta para contratar um anestesista externo para a urgência da (MAC). No comunicado enviado esta quinta-feira às redações, o ministério esclarece que o “Centro Hospitalar Lisboa Central (CHLC) procurou realizar a contratação externa de um anestesista junto de empresas prestadoras de serviços” para colmatar o défice de anestesistas nos dias 24 e 25 de dezembro, mediante o pagamento dos valores tabelados.

Contudo, uma das empresas prestadores de serviços respondeu ao CHLC, responsável pela MAC, que só teria um anestesista disponível mediante o pagamento de 500 euros à hora. Face à discrepância entre o preço tabelado e o preço oferecido, a tutela recusou a proposta.

O comunicado sublinha ainda “que foram feitos todos os esforços para garantir a segurança e qualidade dos cuidados de saúde prestados, articulados, como habitualmente”.

Confrontada com estes valores, a Ordem dos Médicos negou a existência de propostas de contratação de anestesistas por 500 euros à hora e desafiou a ministra a mostrar documentos que o provem, noticia a Rádio Renascença. 

Perante uma discrepância de 461 euros, a Ordem dos Médicos exige que sejam apresentados os documentos/contratos onde conste claramente o referido valor e que seja explicado em que meios oficiais foram publicados e divulgados. Confirmando-se a verdade – isto é, que tais propostas de contratação por 500 euros/hora não existem – a Ordem exige um desmentido tão público quanto o foram estas falsas notícias, e reserva-se no direito de recorrer aos tribunais dado o caracter ofensivo e indigno para os médicos como resultado das declarações proferidas”, lê-se na nota citada pela Rádio Renascença.

Segundo a Ordem, o Centro Hospitalar Lisboa Central, a que pertence a Alfredo da Costa, terá aberto um concurso para contratação de prestadores de serviços, por um valor de 39 euros à hora, que é aliás o que está tabelado por lei.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)