Homossexualidade

EUA. Marinheiro recriou fotografia icónica com o marido e motivou polémica

154

Bryan Woodington recriou com o marido uma fotografia icónica de 1945. Mas o beijo entre os dois homens provocou uma polémica com a estação televisiva que divulgou a imagem.

A fotografia de um marinheiro norte-americano a beijar o seu marido após o regresso de uma missão naval de sete meses está no centro de uma polémica à volta das atitudes perante a homossexualidade nos Estados Unidos.

A imagem do beijo entre o marinheiro Bryan Woodington, que durante sete meses esteve longe de casa a bordo do USS The Sullivans, e o seu marido, Kenneth, faz lembrar uma outra fotografia, icónica, feita em 1945 pelo fotógrafo Alfred Einsenstaedt para revista Life.

“Kissing Sailor” retrata um marinheiro norte-americano a beijar uma mulher na Times Square, em Nova Iorque, após regressar aos EUA no dia da vitória norte-americana sobre o Japão, em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial. A imagem tornar-se-ia um ícone do fotojornalismo.

A imagem original feita em 1945 por Alfred Eisenstaedt

A fotografia de Bryan Woodington, partilhada inicialmente no Facebook pela própria Marinha norte-americana, foi divulgada pelos meios de comunicação social nos EUA e foi aí que começou a polémica.

A estação regional WJXT, que transmitiu a fotografia na sua emissão, recebeu dezenas de cartas e telefonemas de espectadores descontentes com a imagem. “Pensava que este era um canal de notícias amigo das famílias”, disse um espectador, citado pela CNN.

“É triste que a vossa estação tenha descido tão baixo ao ponto de mostrar um casal gay a beijar-se nas vossas notícias”, disse outro dos espectadores que criticaram a transmissão da imagem.

Bryan Woodington e o seu marido, Kenneth (Naval Station Mayport)

Também no Facebook da estação naval Mayport, onde inicialmente foi partilhada a fotografia, se multiplicaram os comentários e as reações negativas, embora em muito menor número do que as que mostram apoio ao casal.

A política das Forças Armadas dos EUA face aos homossexuais tem evoluído ao longo dos últimos anos. Antes da década de 90, os homossexuais estiveram proibidos de ingressar no serviço militar.

Em 1993, o presidente Bill Clinton aprovou a lei don’t ask don’t tell [não perguntes, não digas], que proibia a admissão de homossexuais assumidos no serviço militar. Se não dissessem a ninguém, também não poderiam ser discriminados nesse sentido. Em 2010, o presidente Barack Obama aboliu essa lei, acabando definitivamente com a discriminação em função da orientação sexual no serviço militar norte-americano.

Já em 2017, o presidente Donald Trump baniu os transgénero de ingressarem no serviço militar.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)