PSD

Ângelo Correia. “Uma sede violenta de poder vai destruir o PSD”

1.688

Ângelo Correia, ex ministro e ex-dirigente do PSD, diz que avanço de Montenegro é "incompreensível" porque partido vai chegar às eleições em pé de guerra. E não antevê um futuro bom para o PSD.

Sara Matos/Global Imagens

Ângelo Correia não vê com bons olhos a intenção de Luís Montenegro desafiar, agora, a liderança de Rui Rio. Em declarações à TSF, aquele foi foi uma espécie de mentor de Passos Coelho numa primeira fase, diz que as movimentações internas vão debilitar o partido numa altura em que devia estar concentrado para as eleições.

“Tudo isso vai ocupar o partido numa luta interior, interna, que vai ter um grau de polarização extrema e que vai coincidir quase com as eleições (legislativas).” Ou seja, nessa altura, o PSD “vai estar em convulsão, pior do que está hoje em dia”, disse.

Por essa razão, Ângelo Correia considera que uma candidatura neste momento é “incompreensível”. E não se poupa nas críticas para os adversários internos de Rio: “Eles que andavam a acusar o Rui Rio de ser muleta do PS estão a provar ser a própria muleta. É incompreensível, a não ser por uma sede violenta e de poder que, na prática, vai destruir o partido”.

É esse o desfecho que antevê para o PSD caso não mude de lógica interna. Para Ângelo Correia, Montenegro (ou qualquer outro) devia esperar pela ida às urnas, porque se Rio perdesse, o desafiador teria “mais alguma legitimidade para atuar a seguir em congresso”. Assim sendo, diz, Montenegro “está num processo de flagelação interna do partido.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Política

A reconstrução da direita /premium

Luís Rosa
301

A refundação da direita alargará o leque de escolhas dos eleitores. Optar entre socialistas e social-democratas não é verdadeiramente uma opção porque são duas faces do mesmo disco do rotativismo

Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)