Presidente Trump

Economia americana já perdeu mais de três mil milhões com shutdown

A economia norte-americana já perdeu 3,6 mil milhões de dólares (3,1 mil milhões de euros) com a paralisação parcial ('shutdown') da administração federal, estima agência Standard & Poors.

PETER FOLEY/EPA

A economia norte-americana já perdeu 3,6 mil milhões de dólares (3,1 mil milhões de euros) com a paralisação parcial (‘shutdown’) da administração federal norte-americana, estima a agência Standard & Poor’s (S&P). “Tendo por base a nossa análise, a economia norte-americana já perdeu 3,6 mil milhões de dólares até sexta-feira [hoje]”, disse, em comunicado, a S&P.

De acordo com a agência, dentro de duas semanas, esta paralisação, que dura há 21 dias, vai custar aos Estados Unidos mais do que os 4,9 mil milhões de euros (5,7 mil milhões de dólares) que a Casa Branca exigiu para construir um muro na fronteira com o México, a principal razão de discórdia entre o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o Congresso.

Donald Trump defende que o muro visa travar a imigração ilegal enquanto os democratas recusam desbloquear fundos para o projeto, que consideram “imoral” e ineficaz. “O impacto de uma paralisação tem custos económicos diretos e indiretos. Os custos indiretos incluem o cancelamento [de deslocações] a parques nacionais, museus e monumentos que se encontram encerrados”, lê-se no documento.

A S&P alertou ainda que um ‘shutdown’ de curta duração “pode não alterar os planos de negócio”, mas se este se prolongar pode implicar a redução do número de trabalhadores. “Enquanto alguns impactos indiretos podem ser recuperados quando” os serviços da administração federal forem abertos, os impactos diretos são irreparáveis, salientou. “A perda de produtividade e de funcionários na atividade económica não será recuperada“, vincou.

Donald Trump aproximou-se na quinta-feira de declarar uma emergência nacional nos EUA, a propósito da disputa que mantém com os democratas sobre o financiamento da construção de um muro na fronteira com o México. A pressão está a aumentar para procurar uma saída para o impasse, que já provocou o encerramento de vários serviços governamentais, deixando centenas de milhares de trabalhadores sem salário. Até agora o ‘shutdown’ mais longo da história foi de 21 dias, entre o final de 1995 e início de 1996, durante a presidência de Bill Clinton.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)