O Airlander 10, a maior aeronave funcional alguma vez construída, já não vai voltar a voar. Lançado em 2016 pela empresa britânica Hybrid Air Vehicles, este híbrido voador fez seis voos de teste e vai agora recolher de vez aos hangares, porque a empresa diz que já tem toda a informação de que necessita para dar início ao processo de construção da aeronave em série.

“O protótipo serviu o seu propósito enquanto primeira aeronave híbrida em tamanho real do mundo e deu-nos os dados que precisávamos para avançarmos do protótipo para a produção. Por isso, não planeamos fazer mais voos com a aeronave”, explicou o presidente da Hybrid Air Vehicles, Stephen McGlennan, citado pelo jornal britânico The Guardian.

O Airlander 10 foi desenhado pela empresa britânica, inicialmente, para o exército dos Estados Unidos. O objetivo era levar a cabo missões de vigilância e reconhecimento — sobretudo devido à grande autonomia da aeronave —, mas o exército norte-americano acabou por abandonar o projeto devido às enormes dimensões do Airlander 10: 34 metros de largura por 26 de altura e 92 de comprimento

[Veja o vídeo do primeiro voo do Airlander 10:]

O governo do Reino Unido decidiu apoiar o projeto, contribuindo com 4,4 milhões de euros para o desenvolvimento da aeronave para fins comerciais, nomeadamente para o transporte de mercadorias de grandes dimensões.

O primeiro voo, em 2016, foi um sucesso. O mesmo não aconteceu com o segundo, em 2017, com o Airlander 10 a cair no momento em que tentava aterrar.

[Veja o vídeo da queda do Airlander 10 no segundo voo:]

Neste momento, a empresa britânica vai abandonar o desenvolvimento de novos protótipos e concentrar-se na produção em série de aeronaves para companhias aéreas em todo o mundo. “Estamos a identificar os nossos parceiros, a preparar-nos para desenhar todos os detalhes que fazem a diferença entre um protótipo e um produto, e a finalizar a certificação do produto”.

Os Airlander 10 deverão começar a voar no início da próxima década, segundo as estimativas da empresa.