Rádio Observador

Publicidade

“Este é o melhor homem que consegue ser?” Novo anúncio da Gillette arrasado nas redes sociais

3.300

O novo anúncio da Gillette está debaixo de fogo. O vídeo, que aborda temas relacionados com o machismo e o assédio sexual, recebeu dez vezes mais dislikes do que likes. Veja aqui as reações.

No Youtube o anúncio teve 208 mil "dislikes", 22 mil "likes" e milhares de comentários

Youtube

O novo anúncio da marca de produtos de barbear Gillette está a causar polémica. Com um minuto e 48 segundos de duração, aborda a masculinidade tóxica, o assédio sexual e o movimento #metoo e suscitou vários ataques de figuras públicas nas redes sociais, noticiam esta terça-feira o jornal britânico The Guardian e a cadeia de televisão norte-americana CNN.

O anúncio começa com um pergunta aos espetadores: “Este é o melhor homem que consegue ser?”. Segue-se uma série de episódios do quotidiano que ilustram situações de sexismo, machismo ou assédio sexual, numa alusão aos casos denunciados pelo movimento #metoo.

No final, e com o slogan “Porque os rapazes que vemos hoje serão os homens de amanhã”, há uma sequência de cenas entre pais e filhos, com os pais a ser o exemplo para as crianças, separando-os de lutas ou a serem, simplesmente, carinhosos.

Há quem elogie o anúncio, mas também quem ameace fazer um boicote à empresa, dizendo que se trata de “propaganda feminista” ou que representava um insulto para os homens. Pankaj Bhalla, diretor de marca da Gillette na América do Norte, admite que a ideia era mesmo que os homens possam mostrar o anúncio aos filhos para que se sintam inspirados e saibam como reagir perante um mau comportamento e, sobretudo, que tratem as pessoas com respeito.

Nós esperávamos um debate. Na verdade, a discussão é necessária. Se não debatermos e não falarmos sobre isso, não haverá uma mudança real”, afirma Pankaj Bhalla, diretor de marca da Gillette na América do Norte, em declarações à CNN.

A empresa garantiu ainda que para realizar o anúncio fez questionários a vários homens por todo o país, baseou-se em estudos sobre a masculinidade e falou com especialistas. Confrontado com as críticas apontadas, o diretor de comunicação defendeu que “o anúncio não trata de masculinidade tóxica”, mas pretende transmitir que “o principal inimigo é a inação”.

De acordo com o The Guardian, a publicação norte-americana The New American fez duras críticas à mensagem transmitida pelo anúncio, afirmando que “reflete muitas falsas suposições”, como se todos os homens fossem abusadores ou bandidos violentos, acrescentando que “os homens são o sexo selvagem, o que explica a sua perigosidade mas também seu dinamismo”.

Já o jornalista britânico Piers Morgan diz na rede social Twitter que sempre foi consumidor da marca, mas este anúncio pode afastá-lo para uma empresa concorrente “menos empenhada em alimentar este patético ataque global à masculinidade”.  

Outras pessoas criticaram o anúncio por ter sido realizado por uma mulher, a realizadora Kim Gehrig. O comentador político conservador canadiano Ezra Levant escreveu: “Um anúncio de barbear escrito por uma feminista de cabelos rosados é quase tão eficaz quanto um anúncio de tampões escrito por homens de meia idade …”.

Mas há também quem elogie a publicidade e que diga que são necessárias mais iniciativas como esta. “A sério: se a vossa masculinidade fica ASSIM tão ameaçada por um anúncio que diz que devemos ser mais simpáticos, então a vossa masculinidade está errada”, escreveu este utilizador.

A empresa comprometeu-se a doar um milhão de euros a associações sem fins lucrativos com programas “projetados para inspirar, educar e ajudar homens de todas as idades a alcançar o seu melhor a nível pessoal e a tornarem-se modelos para a próxima geração”.

No Youtube o anúncio teve mais de 50 mil comentários, 22 mil “likes” e 208 mil dislikes. Ou seja, quase dez vezes mais pessoas do que as que mostraram o seu apreço.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)