Igreja Católica

Papa vai celebrar missa em parque junto ao Tejo se as Jornadas da Juventude de 2022 forem em Portugal

164

O local escolhido para a missa de encerramento das Jornadas Mundiais da Juventude de 2022, caso a candidatura portuguesa seja escolhida, será o parque do Tejo e do Trancão, em Lisboa.

Sala de Imprensa da Santa Sé

O Papa Francisco vai anunciar no próximo domingo, dia 27, se Portugal vai receber as próximas Jornadas Mundiais da Juventude, agendadas para 2022. Se, como se prevê, a candidatura portuguesa for a escolhida, o Parque do Tejo e do Trancão, por baixo da Ponte Vasco da Gama, em Lisboa, deverá acolher as grandes celebrações com a presença do Papa, noticia esta terça-feira o jornal especializado em religião Sete Margens.

De acordo com aquela publicação, que cita várias fontes eclesiásticas, o parque à beira do rio Tejo foi a escolha final entre um conjunto de opções que estiveram em cima da mesa, incluindo as bases aéreas da Ota ou do Montijo.

O parque acolherá duas celebrações: uma vigília noturna e a missa de encerramento das Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ), um evento criado em 1985 pelo Papa João Paulo II e que atualmente se realiza de três em três anos, sempre num país diferente, alternando entre a Europa e os restantes continentes. As JMJ atraem milhares de jovens católicos de todo o mundo e o ponto alto, as celebrações com o Papa, tem vindo a reunir mais de um milhão de pessoas.

Em 2011, em Madrid, participaram nesta última celebração 1,5 milhões de jovens.

O cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, que é também o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, está esta semana no Panamá, onde decorre a edição atual das JMJ, e deverá receber das mãos do líder da Igreja Católica a cruz que representa a passagem de testemunho, simbolizando a organização da próxima edição.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Pedofilia

Vade Retro, Sr. Padre! /premium

José Diogo Quintela

Os padres envolvidos nos casos de abusos sexuais são uma minoria. O pior é a cobertura que lhes dá o resto da hierarquia católica. A protecção dos abusadores vê-se nas penas do Tribunal Eclesiástico.

Pedofilia

Igreja segura, tolerância zero /premium

Laurinda Alves
295

O Papa Francisco convocou a cimeira e vão ser dias duros, de via purgativa, mas que marcarão uma nova era. Não era possível manter a impunidade nem o silêncio, é preciso saber ler os sinais de alerta.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)