Greve

Sindicatos da Função Pública marcam dois dias de greve em fevereiro

125

Em causa está a ausência de proposta do Governo de aumentos salariais para funcionários públicos e as injustiças causadas pela lei que aumenta o salário da administração pública para os 635,07 euros.

As duas estruturas vão emitir "um pré-aviso de greve conjunto para 14 e 15 de fevereiro com o objetivo de fazer uma grande jornada de luta", disse o dirigente da FESAP

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) e a Federação Nacional de Educação (FNE) anunciaram esta segunda-feira que vão entregar um pré-aviso de greve para 14 e 15 de fevereiro, uma quinta e sexta-feira, exigindo aumentos salariais para todos os trabalhadores.

As duas estruturas sindicais da UGT anunciaram que vão emitir “um pré-aviso de greve conjunto para 14 e 15 de fevereiro com o objetivo de fazer uma grande jornada de luta”, disse o dirigente da FESAP, José Abraão, em declarações à Lusa.

Segundo explicou o sindicalista, a greve convocada tem como objetivo permitir a participação no dia 14 dos trabalhadores numa manifestação de ativistas, delegados e dirigentes sindicais que irá ocorrer nessa tarde em frente ao Ministério das Finanças, em Lisboa. A greve de dois dias convocada pela FESAP e pela FNE surge depois de também a Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, da CGTP, ter convocado uma paralisação para dia 15.

A FESAP já tinha ameaçado com a possibilidade de uma greve por mais de um dia. Em causa está a ausência de uma proposta do Governo de aumentos salariais para todos os funcionários públicos e as “injustiças” causadas pela lei que aumenta a remuneração base da administração pública para os 635,07 euros, disse Abraão.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)