Rádio Observador

Estados Unidos da América

As reações inusitadas ao frio nos EUA: de incendiar trilhos de caminhos de ferro às brincadeiras com água a ferver

638

Além da preocupação em evitar o congelamento das linhas férreas de Chicago, há um jogo que está a ganhar popularidade: atirar água a ferver ao ar e ver o que acontece. Também há quem jogue golf.

Como é que se evita que as linhas dos caminhos de ferro congelem e comboios continuem a circular? Em Chicago, a solução foi esta

Imagem publicada na plataforma Twitter

Uma massa de ar gelado chegou aos Estados Unidos da América (EUA) e as temperaturas estão perigosamente próximas de mínimos históricos em vários estados do país. Em Wisconsin, Illinois e Michigan foi decretado estado de emergência. Em Chicago, a sensação térmica poderá chegar aos -51ºC ao longo desta quarta-feira. Em diferentes pontos dos EUA, encerraram escolas, negócios, serviços de correios. Em alguns locais do Midwest, os problemas atingem os produtores de cerveja — algumas marcas não vão conseguir fazer chegar o seu produto a pontos de venda, depois de, esta terça-feira, ter havido barris a congelar durante o transporte (e as temperaturas mais baixas ainda estão para chegar). Até o presidente da associação de vendedores de cerveja do Minnesota, Mike Madigan, veio lamentar-se publicamente: disse à CNN que o ideal era ter  “camiões aquecidos”, mas que “poucos distribuidores” os têm.

A reação mais criativa ao frio, contudo, registou-se em Chicago, no estado do Illinois. Esta quarta-feira de manhã, alguns trabalhadores da cidade decidiram incendiar os trilhos dos caminhos de ferro para garantir que as linhas mantêm-se em condições de permitir viagens de comboio. A solução para evitar falta de transporte e descarrilamento de comboios (devido ao congelamento do solo, que pode afetar gravemente a circulação) é tão engenhosa quanto inusitada — e pode ser vista no vídeo abaixo:

Às recomendações habituais para o frio, juntou-se este ano uma outra, causadora de maior estranheza, mas reveladora da gravidade da chegada da massa de ar gelado (que em circunstâncias normais teria afetado uma região mais a norte: o Pólo Norte) ao país. O departamento de meteorologia de Des Moines, no estado do Iowa, recomendou os moradores para “protegerem os pulmões do ar severamente frio”, para “evitarem respirações fundas” e para “minimizarem as conversas” — isto é, respirarem com menos intensidade e falarem menos.

Também há aqui esteja a tentar lidar com a situação com coragem. O golfista Jerry Kelly, por exemplo, publicou um vídeo a praticar o seu desporto favorito com… -40ºC, mais coisa menos coisa.

Uma outra utilizadora da rede social, que se apresenta como Samantha Overman, “mãe e professora primária”, diz que “pode estar frio suficiente para encerrar a escola”, mas a temperatura ainda permite “experiências científicas em casa”. Esta é uma delas:

O frio sentido nas últimas horas tem também fomentado a popularidade de uma brincadeira que vai sendo partilhada por muitos utilizadores nas redes sociais. O jogo é bastante simples: consiste em atirar água a ferver ao ar e vê-la tornar-se quase instantaneamente neve, devido ao contacto com o ar gelado. Eis alguns exemplos:

Quem tem animais domésticos tem tido dificuldades em levá-los à rua, como vão comentando várias pessoas nas redes sociais e como o vídeo abaixo ilustra:

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
128

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)