Rádio Observador

Redes Sociais

Fake News. Twitter, Facebook e Instagram eliminam milhares de contas

As 783 páginas do Facebook e do Instagram e as 2800 contas do Twitter fariam parte de uma rede ligada à Venezuela, Rússia e Irão que produzia notícias falsas.

O Facebook e o Twitter anunciaram, na quinta-feira, que eliminaram milhares de contas que fariam parte de uma rede ligada ao Irão, Rússia e Venezuela e que tinham como objetivo influenciar decisões políticas regionais e internacionais.

A empresa norte-americana liderada por Mark Zuckerberg excluiu 783 páginas, grupos e contas que mostravam “comportamento falso e coordenado no Facebook e no Instagram” do Irão, de acordo com o chefe de cibersegurança do Facebook, Nathaniel Gleicher.

“Estamos a trabalhar constantemente para detetar e interromper este tipo de atividade porque não queremos que os nossos serviços sejam usados ​​para manipular as pessoas”, sublinhou Nathaniel Gleicher em comunicado.

Removemos essas páginas com base no comportamento delas, não no conteúdo publicado. As pessoas por trás dessa atividade coordenaram-se e usaram contas falsas”, acrescenta Gleicher.

Segundo aquele especialista, as contas publicaram conteúdo favorável ao regime de Teerão e contra o Ocidente e vizinhos regionais, como a Arábia Saudita e Israel. As páginas, algumas das quais estavam ativas desde 2010, obtiveram cerca de dois milhões de seguidores na rede social Facebook e mais de 250 mil seguidores no Instagram, uma empresa que também é detida pelo grupo californiano. Além disso, essas contas investiram quase 25 mil euros em publicidade no Facebook e no Instagram e organizaram oito eventos entre os seus seguidores.

Em relação ao Irão, várias atividades dessas contas estavam direcionadas para um país ou região específica, como Afeganistão, Albânia, Argélia, Bahrein, Egito, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Irão, Iraque, Israel, Líbia, México, Marrocos, Paquistão, Catar, Arábia Saudita, Sérvia, África do Sul, Espanha, Sudão, Síria, Tunísia, EUA e Iémen.

Por sua vez, a empresa norte-americana Twitter revelou na quinta-feira que eliminou milhares de contas falsas da Rússia, do Irão e da Venezuela que visavam influenciar a política dos Estados Unidos e nos seus próprios países. A rede social identificou duas operações na Venezuela que envolveram cerca de duas mil contas de origem irregular, quase 500 usuários falsos controlados pela Rússia e cerca de 300 manipulados pelo Irão.

No caso da Rússia, foram descobertas duas operações criadas na Rússia, uma ativa para vários países e outra direcionada especificamente para a Ucrânia. A empresa norte-americana removeu 364 páginas e contas de uma rede produzida na Rússia e operada nos países bálticos, na Ásia Central, no Cáucaso e nos países da Europa Central e Oriental. Os administradores dessas contas criaram páginas falsas com notícias independentes, e foi descoberto que algumas das contas estavam ligadas aos funcionários da Sputnik, uma agência noticiosa de Moscovo.

Em setembro, o Facebook e o Twitter defenderam perante o Senado dos Estados Unidos que as empresas tinham aumentado os seus esforços para identificar e fechar contas falsas e aumentar a transparência na publicidade. Meses antes, Zuckerberg assumira a responsabilidade pela filtragem em larga escala de dados para a empresa Cambridge Analytica no âmbito das eleições presidenciais realizadas em 2016 nos Estados Unidos.

Tanto o  Facebook como o Twitter asseguram o controlo regular das redes sociais, para isso investem na criação de tecnologias mais avançadas, na contratação de mais pessoas especializadas e no trabalho em parceria com as outras empresas de segurança, tecnologia e policiais.

Pode ver algumas dessas páginas nesta fotogaleria.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)