Luís Marques Mendes

Marques Mendes diz que governo deverá ter autorização para requisição civil contra greve dos enfermeiros

409

Luís Marques Mendes diz que o Governo pediu parecer à Procuradoria-Geral da República para fazer uma requisição civil na greve dos enfermeiros e que a resposta deve ser positiva.

CARLOS BARROSO/LUSA

O comentador político e conselheiro de Estado, Luís Marques Mendes, disse este sábado na SIC que “pode estar iminente a requisição civil dos enfermeiros”, podendo o Governo tomar esta decisão “nos próximos dias”.

De acordo com o que Marques Mendes avançou na sua rubrica de comentário na SIC, o governo tornou a pedir um parecer ao conselho consultivo da Procuradoria-Geral da República sobre esta hipótese, depois de já ter feito o mesmo em novembro, ocasião em que recebeu resposta negativa.

Porém, adianta o comentador, o desfecho desta vez pode ser diferente. “O conselho consultivo da PGR pode vir a dar parecer favorável ao Governo, face à natureza da greve e à sua duração”, antecipa Luís Marques Mendes, que adiantou que nesse caso o Governo “tomará de imediato a decisão” de avançar com uma requisição civil contra a greve às cirurgias dos enfermeiros.

Recorde-se que esta sexta-feira, o primeiro-ministro, António Costa, declarou que as greves dos enfermeiros têm sido “selvagens” e que são “absolutamente ilegais”.

“A CGD hoje é diferente”

Luís Marques Mendes comentou ainda o caso da auditoria à Caixa Geral de Depósitos, publicado na íntegra no site da Assembleia da República — ainda que por acidente, uma vez que a intenção era divulgá-lo com nomes rasurados. O ex-presidente do PSD referiu que a divulgação do relatório “é uma vitória da opinião pública e da opinião publicada, porque foi a pressão da opinião pública e publicada que levou a que a auditoria fosse de facto divulgada”.

Luís Marques Mendes referiu ainda que, ao contrário da opinião pública e publicada, os gestores, os supervisores e sobretudo os devedores não queriam a divulgação do relatório. “Há esta pouca vergonha nacional de que vários devedores passeiam-se aí pelo país todo, governando-se à grande e à francesa devendo milhões à CGD”, disse. Sobre os partidos acrescentou que “no início aquilo era informação um pouco incómoda, embora agora no final, justiça seja feita, os partidos estiveram muito bem a corresponder ao anseio da opinião pública”.

O comentador da SIC procurou ainda sublinhar que “a Caixa de hoje já é diferente”, atribuindo esse opinião ao facto de a supervisão ser agora não do Banco de Portugal, mas sim do Banco Central Europeu, e de haver “finalmente uma gestão competente”, a cargo de Paulo Macedo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
Segurança Social

Não tinha de ser assim /premium

Helena Matos
681

Em 1974, politicamente bloqueado, o país aguardava que os militares tratassem do assunto. O assunto era o Ultramar. Em 2019, o país está bloqueado de novo. O assunto chama-se Estado Social.

Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)