Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma greve “cruel”, “estranha” e “não aceitável”; um “problema nacional”, “extremo” e “preocupante”; e uma falta de “bom senso” e de “consciência”. As críticas vão ganhando volume à medida que crescem os números de cirurgias adiadas nos cinco principais centros hospitalares do país. Até esta quarta-feira, estima-se que possam ter sido cerca de 7.500.

Parados até 31 de dezembro, os enfermeiros preparam já mais uma greve —sem o apoio do sindicato mais representativo (que fala em “greve populista”) e mesmo depois de o Governo dizer que não se senta à mesa das negociações enquanto não voltarem todos ao trabalho.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.