Turquia

Presidentes da Turquia e da Grécia desejam manter diálogo entre os dois países

O chefe de Estado turco disse que "os problemas com a Grécia podem ser resolvidos pacificamente". Em reposta, o primeiro-ministro grego saudou a comunicação aberta entre os países.

Esta visita ocorre simbolicamente alguns dias após o 23.º aniversário de uma grave crise diplomática relacionada com os ilhéus de Imia para a Grécia, (Kardak para os turcos)

STR/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, manifestou esta terça-feira a convicção numa resolução “pacífica” dos contenciosos com a Grécia, mas sublinhando diversos temas de discórdia, incluindo a extradição por Atenas de militares turcos alegadamente envolvidos no fracassado golpe de 2016.

“Pensamos que todos os problemas com a Grécia podem ser resolvidos pacificamente”, declarou o chefe de Estado turco, em Ancara, durante uma conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro grego, Aléxis Tsipras, mas solicitou “mais cooperação” no caso do pedido de extradição de militares turcos exilados na Grécia e acusados pelas autoridades desenvolvimento no fracassado golpe militar de julho de 2016.

Em reposta, o primeiro-ministro grego congratulou-se pelos canais de comunicação “permanecerem abertos” com Ancara, na etapa inicial de uma deslocação destinada a apaziguar as tensões entre os dois países vizinhos.

“Estou satisfeito ao mais nível que os canais de comunicação permaneçam abertos com Ancara”, declarou, apelando a respeitar as decisões da justiça relacionadas com os pedidos de asilo dos presumíveis soldados golpistas turcos cuja extradição continua a ser exigida por Ancara.

“A Grécia respeita as decisões da justiça, é um princípio constitucional”, precisou Tsipras, cuja última vista à Turquia ocorreu em 2015, apesar de declarar que “na Grécia os golpistas não são bem-vindos”.

O tom das duas declarações foi mais ameno, comparativamente com a visita de Erdogan à Grécia em 2017, a primeira de um Presidente turco em 65 anos. Na ocasião surpreendeu, ao pedir a revisão do Tratado de Lausanne de 1923, que fixa designadamente as fronteiras entre a Grécia e a Turquia.

Tsipras iniciou hoje uma vista oficial de dois dias à Turquia, para abordar com os líderes do país vizinho as relações bilaterais, a situação em Chipre e os fluxos migratórios.

A ilha de Chipre, dividida entre a República de Chipre (internacionalmente reconhecida e de maioria cipriota grega), membro da União Europeia desde 2004, e a autoproclamada República Turca de Chipre do Norte (RTCN, apenas reconhecida por Ancara na sequência da invasão turca de 1974), permanece um dos temas mais complexos nas relações bilaterais.

A situação de Chipre atravessa atualmente um período de tensão, em particular após a descoberta de gigantescas jazidas de gás natural na zona marítima exclusiva, reivindicada pelas duas partes, para além do diferendo em torno da limitação da fronteira marítima no Mar Egeu.

A agenda da reunião entre os dois dirigentes tinha sido confirmada na segunda-feira pelo porta-voz da presidência turca, Ibrahim Kalin, que também se referiu às tensões no Mar Egeu e no Mediterrâneo, e às relações mais gerais entre Turquia e Grécia, dois membros da NATO.

Tsipras e Erdogan também abordaram a situação do pacto celebrado entre a Turquia, que acolhe 3,5 milhões de refugiados, e a União Europeia, assinado em março de 2016 e que travou consideravelmente a chegada, a partir das costas turcas, de requerentes de asilo.

No entanto, centenas de pessoas continuam a desembarcar diariamente nas ilhas gregas. Cerca de 5.000 pessoas fizeram-no entre setembro e dezembro, aumentando a pressão sobre os campos de refugiados já superlotados. O número de travessias na fronteira terrestre entre os dois países também aumentou, passando de 5.400 em 2017 a 14.000 em 2018, segundo Atenas.

Na quarta-feira, Tsipras tem previsto um encontro com Bartolomeu I, arcebispo de Constantinopla e patriarca ecuménico ortodoxo. O encontro decorrerá no seminário de Hali, na ilha de Heybeliada, perto de Istambul, que não recebe uma visita das autoridades gregas há 86 anos.

A Turquia e a Grécia concordaram na reabertura deste seminário ortodoxo, encerrado pelas autoridades turcas desde 1971, a troco da abertura de uma mesquita em Atenas, a capital grega.

Esta visita ocorre simbolicamente alguns dias após o 23.º aniversário de uma grave crise diplomática relacionada com os ilhéus de Imia, para a Grécia (Kardak para os turcos), no cerne de recorrentes tensões bilaterais e que na ocasião quase degeneraram num conflito armado.

Surge ainda 20 anos após o início do processo de reaproximação entre Atenas e Ancara. Após várias décadas de relações tumultuosas, a Grécia enviou em 1999 uma ajuda à Turquia, atingida por um sismo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)