Rádio Observador

Turquia

Presidentes da Turquia e da Grécia desejam manter diálogo entre os dois países

O chefe de Estado turco disse que "os problemas com a Grécia podem ser resolvidos pacificamente". Em reposta, o primeiro-ministro grego saudou a comunicação aberta entre os países.

Esta visita ocorre simbolicamente alguns dias após o 23.º aniversário de uma grave crise diplomática relacionada com os ilhéus de Imia para a Grécia, (Kardak para os turcos)

STR/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, manifestou esta terça-feira a convicção numa resolução “pacífica” dos contenciosos com a Grécia, mas sublinhando diversos temas de discórdia, incluindo a extradição por Atenas de militares turcos alegadamente envolvidos no fracassado golpe de 2016.

“Pensamos que todos os problemas com a Grécia podem ser resolvidos pacificamente”, declarou o chefe de Estado turco, em Ancara, durante uma conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro grego, Aléxis Tsipras, mas solicitou “mais cooperação” no caso do pedido de extradição de militares turcos exilados na Grécia e acusados pelas autoridades desenvolvimento no fracassado golpe militar de julho de 2016.

Em reposta, o primeiro-ministro grego congratulou-se pelos canais de comunicação “permanecerem abertos” com Ancara, na etapa inicial de uma deslocação destinada a apaziguar as tensões entre os dois países vizinhos.

“Estou satisfeito ao mais nível que os canais de comunicação permaneçam abertos com Ancara”, declarou, apelando a respeitar as decisões da justiça relacionadas com os pedidos de asilo dos presumíveis soldados golpistas turcos cuja extradição continua a ser exigida por Ancara.

“A Grécia respeita as decisões da justiça, é um princípio constitucional”, precisou Tsipras, cuja última vista à Turquia ocorreu em 2015, apesar de declarar que “na Grécia os golpistas não são bem-vindos”.

O tom das duas declarações foi mais ameno, comparativamente com a visita de Erdogan à Grécia em 2017, a primeira de um Presidente turco em 65 anos. Na ocasião surpreendeu, ao pedir a revisão do Tratado de Lausanne de 1923, que fixa designadamente as fronteiras entre a Grécia e a Turquia.

Tsipras iniciou hoje uma vista oficial de dois dias à Turquia, para abordar com os líderes do país vizinho as relações bilaterais, a situação em Chipre e os fluxos migratórios.

A ilha de Chipre, dividida entre a República de Chipre (internacionalmente reconhecida e de maioria cipriota grega), membro da União Europeia desde 2004, e a autoproclamada República Turca de Chipre do Norte (RTCN, apenas reconhecida por Ancara na sequência da invasão turca de 1974), permanece um dos temas mais complexos nas relações bilaterais.

A situação de Chipre atravessa atualmente um período de tensão, em particular após a descoberta de gigantescas jazidas de gás natural na zona marítima exclusiva, reivindicada pelas duas partes, para além do diferendo em torno da limitação da fronteira marítima no Mar Egeu.

A agenda da reunião entre os dois dirigentes tinha sido confirmada na segunda-feira pelo porta-voz da presidência turca, Ibrahim Kalin, que também se referiu às tensões no Mar Egeu e no Mediterrâneo, e às relações mais gerais entre Turquia e Grécia, dois membros da NATO.

Tsipras e Erdogan também abordaram a situação do pacto celebrado entre a Turquia, que acolhe 3,5 milhões de refugiados, e a União Europeia, assinado em março de 2016 e que travou consideravelmente a chegada, a partir das costas turcas, de requerentes de asilo.

No entanto, centenas de pessoas continuam a desembarcar diariamente nas ilhas gregas. Cerca de 5.000 pessoas fizeram-no entre setembro e dezembro, aumentando a pressão sobre os campos de refugiados já superlotados. O número de travessias na fronteira terrestre entre os dois países também aumentou, passando de 5.400 em 2017 a 14.000 em 2018, segundo Atenas.

Na quarta-feira, Tsipras tem previsto um encontro com Bartolomeu I, arcebispo de Constantinopla e patriarca ecuménico ortodoxo. O encontro decorrerá no seminário de Hali, na ilha de Heybeliada, perto de Istambul, que não recebe uma visita das autoridades gregas há 86 anos.

A Turquia e a Grécia concordaram na reabertura deste seminário ortodoxo, encerrado pelas autoridades turcas desde 1971, a troco da abertura de uma mesquita em Atenas, a capital grega.

Esta visita ocorre simbolicamente alguns dias após o 23.º aniversário de uma grave crise diplomática relacionada com os ilhéus de Imia, para a Grécia (Kardak para os turcos), no cerne de recorrentes tensões bilaterais e que na ocasião quase degeneraram num conflito armado.

Surge ainda 20 anos após o início do processo de reaproximação entre Atenas e Ancara. Após várias décadas de relações tumultuosas, a Grécia enviou em 1999 uma ajuda à Turquia, atingida por um sismo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)