Enfermeiros

ASAE vai investigar crowdfunding da greve dos enfermeiros

3.808

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) quer saber a origem do dinheiro que tem financiado a greve dos enfermeiros, mesmo sem regulamento sobre crowdfunding aprovado, avança o Expresso.

A Bastonária da Ordem dos Enfermeiros num dos vários protestos recentes

MIGUEL A. LOPES/LUSA

A greve dos enfermeiros tem sido financiada com recurso a crowdfunding, uma forma de angariação de fundos online em que quem quiser doa dinheiro para uma causa ou projeto. Já foram angariados 784 mil euros assim e, agora, a ASAE vai avançar com uma investigação sobre a origem destes fundos, avança o Expresso.

“As circunstâncias atuais precipitaram uma avaliação prévia às seis campanhas ativas, entre as quais a dos enfermeiros”, disse ao jornal Pedro Portugal Gaspar, o  inspetor-geral da ASAE. Assim, e mesmo sem um regulamento final sobre campanhas de crowdfunding, a investigação vai avançar por vontade desta entidade de fiscalização.

Qual é objetivo da investigação? Validar todas as informações dadas pelos enfermeiros em greve quanto à origem dos fundos, averiguar quanto foi o dinheiro angariado e se há incompatibilidade nas doações.

Pedro Domingos, um dos fundadores da PPL, a empresa que gere a plataforma de crowdfunding utilizada pelos enfermeiros, afirma todos os registos de pagamentos e informações relativas estão salvaguardados e disponíveis. O executivo da PPL afirma ainda que as suspeitas são infundadas e que ASAE ainda não avançou com nenhum pedido formal de fiscalização.

Os donativos foram feitos por enfermeiros a título individual e em grupo, amigos e familiares. Na primeira campanha foram 14 mil participantes e agora dez mil e doaram valores pequenos, em média 15 a 20 euros”, afirma Pedro Domingos.

Segundo os enfermeiros envolvidos nesta ação de crowdfunding e comentários em grupos de redes sociais que têm feitos na organização desta paralisação, basta cada um dos 72 mil enfermeiros, incluído os que trabalham apenas para o sector privado, doar 60 euros para se angariar 4,32 milhões de euros. Este montante permitia uma paralisação no SNS até às legislativas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)