Rádio Observador

Enfermeiros

Enfermeiros pagam mais de 33 mil euros a plataforma que viabilizou “greve cirúrgica”

519

Os 33 mil euros correspondem a 7,5% da comissão que a empresa de crowdfunding, a PPL, cobra, mais 23% de IVA. Através da plataforma, os enfermeiros já angariaram 360 mil euros para viabilizar a greve.

“Não é um serviço barato, mas qualquer serviço tem que ser pago”, assume a enfermeira Catarina Barbosa

PAULO NOVAIS/LUSA

Os enfermeiros já tiveram de pagar 33 mil euros à PPL, a empresa portuguesa que gere a plataforma de crowdfunding que possibilitou angariar 360 mil euros para viabilizar o protesto que desde 22 de novembro está em curso nos blocos operatórios de cinco grandes hospitais públicos. Este valor corresponde a 7,5% da comissão cobrada pela empresa, mais 23% de IVA, explica fonte da PPL. A notícia é avançada pelo jornal Público.

Este valor poderá ser ainda mais alto, caso o movimento de enfermeiros que lançou esta forma inédita de patrocinar uma paralisação consiga recolher os fundos necessários para a segunda “greve cirúrgica”: 400 mil euros até 14 de janeiro. Se o valor total não for alcançado, todo o dinheiro doado até então é devolvido. Nesse caso, a plataforma não recebe qualquer tipo de pagamento.

“Não é um serviço barato, mas qualquer serviço tem de ser pago”, sublinha Catarina Barbosa, uma das enfermeiras à frente deste protesto. Em declarações ao Público, a enfermeira no Centro Hospitalar do Porto reconhece que a PPL tem “ajudado muito” o movimento.

Incitam-nos a partilhar emails, explicam-nos como contactar pessoas que fizeram contribuições para que façam uma segunda vez; e são eles que pedem o NIB a toda a gente e agilizam a plataforma”, explica Catarina Barbosa.

Para já, o apoio financeiro está a entrar a conta-gotas e os enfermeiros ainda só angariaram 12% do total de 400 mil euros, mas Catarina Barbosa acredita que se vai repetir o mesmo que com a iniciativa de crowdfunding anterior. Será no final do mês, “quando há mais disponibilidade financeira”, que as doações começam a entrar. No final de novembro, e em poucos dias, entraram na plataforma cerca de 150 mil euros. Nessa primeira campanha o objetivo era recolher 300 mil euros e as doações passaram os 360 mil euros.

Com estes valores foi possível alargar a greve a mais dois hospitais, além dos três inicialmente previstos.

Na plataforma é possível ver os nomes dos doadores, embora não seja possível aceder aos valores, e a percentagem de anónimos é muito elevada. Isto já levou a acusações de que a greve estará a ser financiada por hospitais privados: “É uma teoria da conspiração que não faz qualquer sentido”, garante a enfermeira.

Esta sexta-feira, a ministra da Saúde vai receber todos os sindicatos de enfermeiros, incluindo os dois que convocaram a greve cirúrgica, o Sindepor (Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal) e a ASPE (Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros).

Na terça-feira, um outro sindicato — a Federação Nacional dos Sindicatos dos Enfermeiros (FENSE) — cancelou a greve marcada para os dias 26, 27 e 28 na sequência de uma reunião com os Ministérios da Saúde e Finanças. No entanto, o Sindepor avançou na altura que a “greve cirúrgica” era para manter.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)