Ucrânia

Ucrânia tem de aderir à UE e NATO para evitar expansionismo russo, diz Poroshenko

199

O Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, defende que o país precisa de aderir à União Europeia e à NATO para se proteger das ações expansionistas da Rússia.

Poroshenko concorre a um segundo mandato presidencial de cinco anos nas eleições de 31 de março

SERGEY DOLZHENKO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, defendeu este sábado que o país precisa de aderir na União Europeia (UE) e na NATO para se proteger das ações expansionistas da Rússia.

Poroshenko, que concorre a um segundo mandato presidencial de cinco anos nas eleições de 31 de março, acusou a Rússia de planear intrometer-se nas eleições ucranianas, as quais descreveu como uma “batalha geral pela Ucrânia”.

As pesquisas de opinião apresentam Poroshenko atrás do comediante Volodymyr Zelensky e da ex-primeira-ministra Yulia Timoshenko.

Poroshenko procurou reforçar o seu apoio popular ao encabeçar a criação de uma nova Igreja Ortodoxa Ucraniana, independente do Patriarcado de Moscovo.

A Comissão eleitoral ucraniana anunciou, na sexta-feira, ter registado um total de 44 candidatos para as presidenciais de 31 de março, um recorde para este escrutínio que se anuncia imprevisível.

Os desafios destas eleições são muito consideráveis para a Ucrânia, confrontada há cinco anos com a anexação pela Rússia da península da Crimeia, seguida de uma guerra com os separatistas pró-russos que provocou perto de 13.000 mortos e continua presente no leste do país, para além de uma profunda crise económica.

De acordo com as previsões, a campanha deveria ser dominada por dois “veteranos” da política interna, o Presidente cessante Petro Poroshenko e a ex-primeira-ministra Yulia Timoshenko.

No entanto, este cenário está a ser perturbado pela inesperada ascensão de Volodymyr Zelensky, um ator de 41 anos e com presença habitual nas emissões humorísticas e empresário de espetáculos, creditado com mais de 20% das intenções de voto, à frente dos seus adversários.

Apesar de estar incluído entre os três favoritos, Poroshenko, que subiu ao poder em 2014 na sequência da “revolta de Maidan”, tem sido criticado pela lentidão no combate à corrupção e apenas está creditado com 15% a 16% das intenções de voto, segundo as últimas sondagens de fevereiro, muito perto de Timoshenko (16% a 19%).

Yulia Timoshenko, primeira-ministra entre 2007 e 2010 e com um pendor populista, deverá enfrentar no escrutínio um homónimo, o militar e deputado Iuri Timoshenko.

Entre os restantes candidatos, incluem-se designadamente numerosos deputados, antigos vice-primeiro-ministros, empresários e o presidente da câmara municipal de Lviv, Andriï Sadovyi.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)