Serviços prisionais

Reclusos da prisão de Paços de Ferreira filmam festa de aniversário e publicam no Facebook

5.847

Um grupo de reclusos montou mesas no corredor da prisão de alta segurança e filmou a festa de anos de um traficante de droga. Sindicato já disse que só havia um guarda para 374 presos.

Vídeo foi publicado em direto na internet, durante mais de 40 minutos, e foi depois divulgado pela SIC

Um grupo de reclusos da cadeia de Paços de Ferreira transmitiu em direto, através do Facebook, a festa de aniversário de um traficante de droga, noticiou o Correio da Manhã. O vídeo de 40 minutos, divulgado pela SIC e entretanto posto no Youtube, foi filmado este sábado na ala A da prisão através de um telemóvel. As imagens mostram um grupo de reclusos a dançar e a comer um bolo de aniversário. A Direção-Geral dos Serviços Prisionais disse ao Correio da Manhã que foi instaurado “um inquérito interno, a cargo do Serviço de Auditoria e Inspeção, e coordenado por um procurador”.

Entretanto, o Diário de Notícias avança que o magistrado do Ministério Público que coordena o Serviço de Auditoria e Inspeção do Norte da Direção-geral de Reinserção e Serviços Prisionais já esteve no estabelecimento prisional este domingo para o arranque da investigação.

A festa de aniversário começou às duas da tarde de sábado e terminou uma hora e meia mais tarde. Esse é o período de visitas na cadeia de Paços de Ferreira e, apesar de este ser um estabelecimento prisional de alta segurança destinado a reclusos perigosos, a essa hora só há dois guardas de serviço na ala A, onde estão cerca de 400 reclusos. Foi assim que os reclusos conseguiram aproveitar a abertura das celas para montar mesas no corredor da prisão. Ainda assim, conseguiram escapar ao olhar dos guardas prisionais.

“Naquela ala, a ala A de Paços de Ferreira, estavam quatro guardas, sendo que àquela hora, um dos guardas estava no parlatório a acompanhar as visitas, o outro guarda estava a revistar os reclusos na saída para a visita, e, depois, no regresso ao pavilhão, e o terceiro guarda, ao que parece, estava com a brigada de reclusos a fazer a recolha do lixo. Portanto, isto fez com que só estivesse um guarda na ala para 374 reclusos”, disse Jorge Alves, do sindicato nacional do corpo da guarda prisional, em declarações à SIC.

Sindicato dos guardas prisionais queixa-se de falta de pessoal

Em declarações aquela estação de televisão, Jorge Alves queixa-se de falta de pessoal, que motiva a falta de controlo de bens nas prisões, assim como se queixa de medo dos reclusos. “Há guardas que são alvo de ameaças por parte dos reclusos, através de publicações nas redes sociais, por terem sido repreendidos ou por lhes ter sido apreendida droga ou telemóveis”, conta.

É lamentável, mas isto efetivamente acontece. Por um lado, porque retiram os guardas da zona prisional onde efetivamente deviam estar, por outro lado, os reclusos estão tão à vontade que fazem o que querem na zona prisional, porque, além de não ter guardas, sentem que não são sancionados por estas questões”, acrescentou ainda.

O aniversariante era um traficante de droga que celebrava 41 anos e que mantém um perfil no Facebook, onde publica regularmente. O homem foi entretanto transferido para a cadeia de Vale de Judeus, avança o Correio da Manhã. Apesar de a utilização de telemóveis ser proibida dentro das cadeias, o vídeo mostra vários reclusos a utilizarem um. Todos aparecem a comer, a beber, a fumar e a jogar cartas. Nenhum guarda prisional surge na filmagem que está a ser investigada.

Em junho de 2016, vários vídeos publicados no Facebook mostravam também dezenas de reclusos do Estabelecimento Prisional de Sintra numa festa com pizza, música, charros e o que aparentavam ser notas de 500 euros. Também essa festa foi filmada com telemóveis e aconteceu numa das salas de convívio da prisão. O aniversariante era “um recluso famoso por aqueles lados”, disse um guarda prisional ao Jornal de Notícias. Todas as imagens foram publicadas em perfis de Facebook de pessoas que estão presas na cadeia.

Também nessa altura, a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais disse que o caso estava a ser investigado: “Está a decorrer processo de inquérito a esta situação, bem como à da utilização de telemóveis por reclusos, o que não é permitido”. E acrescenta que as notas de 500 euros que aparecem nas imagens “correspondem a fotocópias que se encontram apreendidas, estando os reclusos envolvidos a ser objeto de processo disciplinar”.

Em resposta a essa festa na prisão de Sintra, Francisca Van Dunem garantiu que tudo não passava de um “epifenómeno” e que aquele não era “o ambiente natural” dentro do estabelecimento prisional. A ministra da Justiça desvalorizou o caso: “Não haverá catástrofe. As pessoas serão colocadas”. Mas dois anos depois, o caso repetiu-se, desta vez no distrito do Porto.

*artigo atualizado segunda-feira, dia 11 de fevereiro, pelas 12h50, com imagens da festa dos reclusos de Paços de Ferreira e com declarações do sindicato nacional do corpo da guarda prisional.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Mulher

A filha do feminismo

Daniela Silva

O insólito, inédito fardo que recai sobre a mulher exige repensar as prioridades valorizadas em sociedade e desafiar o paradigma igualitário que tem inspirado escolhas privadas e orientações políticas

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)