Direitos Televisivos

Eleven Sports. A partir desta terça, pode ver a Liga dos Campeões na Meo, Nos e Vodafone

422

O serviço fica já esta terça-feira disponível para todos os clientes das três grandes operadoras de telecomunicações. Serviço de subscrição custa 9,99 euros.

MÁRIO CRUZ/LUSA

A partir desta terça-feira, os clientes da Nos, Meo e Vodafone podem ter acesso ao canal da Eleven Sports, onde poderão ver a transmissão de vários conteúdos desportivos, como é o caso da Liga dos Campeões. O acordo entre as operadoras de telecomunicação e a Eleven Sports, que tinha sido avançado em primeira mão pelo jornal online ECO, ficou nesta terça-feira formalmente fechado.

Para poderem ter acesso aos conteúdos transmitidos pelo canal, os clientes terão de pagar 9,99 euros, o mesmo valor que já é praticado na própria plataforma da Eleven Sports. A subscrição terá que ser feita diretamente com as operadoras, o que significa que se o cliente já tiver acesso à plataforma online da Eleven e quiser ver os jogos nos canais, terá que anular essa subscrição anterior.

Este é sem dúvida um momento marcante para a operação da Eleven Sports em Portugal. Como afirmamos desde o primeiro minuto, o nosso ADN é sermos agnósticos em termos de plataformas. Como tal, queremos chegar a todos os portugueses independentemente da plataforma”, referiu Jorge Pavão de Sousa, diretor-geral da Eleven Sports Portugal, citado em comunicado.

Os canais Eleven Sports 1 e 2 estão disponíveis no Meo nas posições 33 e 34 e os canais pop-up ficam nas posições 35 e a partir da 177 para clientes Meo ADSL e Meo Fibra e a partir da posição 176 para clientes Meo Satélite. No caso da Nos, os canais estão nas posições 38 e 39 (canais 1 e 2) e 137 e 140 (canais pop-up) e na Vodafone nos canais 41 a 46. A Eleven já estava presenta na grelha da Nowo.

Numa cerimónia de oficialização do acordo, esta terça-feira em Lisboa, Jorge Pavão de Sousa considerou que o acordo representa um passo importante na estratégia da Eleven Sports em Portugal e salientou que os termos da negociação são diferentes para cada uma das operadoras.

“Desde o momento zero, do nosso lado, posicionamo-nos no sentido de ter um acordo diferenciado para cada um deles. Nunca quisemos ficar manietados no sentido de ter todas as estratégias do negócio num acordo coletivo que regulasse as partes todas. Não era esse o nosso objetivo, nem o nosso entendimento. E garantimos também a manutenção da plataforma Over The Top [ou seja, a plataforma online de distribuição direta ao público] de forma independente, dentro desse acordo”, disse o responsável.

O acordo agora estabelecido com cada um dos operadores vai para além da época 2020/2021, disse Jorge Pavão de Sousa, mas escusou-se a especificar até quando estará em vigor.

Por outro lado, a Sporttv (antiga detentora dos direitos da Champions League e detida pelas três operadores) “não teve qualquer papel neste acordo”, disse. Já o acordo que existe entre a Eleven e a TVI (para a transmissão de alguns jogos da Liga dos Campeões em sinal aberto) “não foi revisto, também em virtude dos resultados alcançados e da excelente parceria que estabelecemos”.

A Eleven Sports encarregou inicialmente a Nowo (a única das grandes operadoras em Portugal que não detinha parte da SportTV) de negociar com a Meo, a Vodafone e a NOS, além de lhe entregar o papel de representante exclusivo dos ponto de vista da distribuição. Mas depois puxou a si a negociação.

“A Nowo tem um acordo de carriage como tem qualquer um dos outros operadores. O que mudou, de facto, na nossa relação de parceria — do ponto de vista de serem o nosso representante exclusivo do ponto de vista da distribuição em Portugal — é que esse papel não cabe mais à Nowo. Os direitos estão na Eleven do ponto de vista da distribuição de canais e a Nowo é mais um deles”, disse Jorge Pavão de Sousa. Ou seja, a Nowo foi afastada porque já era mais um entrave do que um ativo na negociação?

“Não significa isso, mas talvez (a Nowo) não fosse um factor acelerador para chegarmos a um ponto final nessas mesmas negociações. (…) Tivemos de chamar a nós algumas conversas, chamar essa responsabilidade da negociação direta com cada um dos operadores à Eleven”, completou o diretor-geral da Eleven Sports.

Citados no comunicado da Eleven Sports sobre o acordo, as restantes operadoras enalteceram a conclusão das negociações, mas de forma contida.

“A Altice Portugal reitera o seu objetivo de disponibilizar os melhores e mais relevantes conteúdos para os seus clientes e, nessa linha integra agora os canais da Eleven Sports, reforçando a sua oferta global de conteúdos de desporto”, referiu João Epifânio, administrador da Altice Portugal com o pelouro das vendas.

Luís Nascimento, administrador da NOS, foi mais entusiasta. “Como líder na oferta de entretenimento e de TV por subscrição em Portugal, a NOS congratula-se pelo facto de ter chegado a acordo com a Eleven Sports e poder disponibilizar aos seus clientes, a partir de hoje, as grandes competições internacionais distribuídas pela Eleven Sports”, disse.

Já a Vodafone salientou que “sempre defendeu, em benefício dos Clientes, a universalidade dos conteúdos”. “O acordo celebrado é mais um passo nesse sentido e representa, acima de tudo, uma vitória para os consumidores”, afirmou Emanuel Sousa, administrador da Vodafone para o segmento consumo.

De acordo com o Eco, as negociações aceleraram nas últimas semanas depois de a Eleven ter alterado a sua estratégia. Andrea Radrizzani, dono da empresa sediada em Londres, veio a Portugal para se reunir com as três operadoras e decidir o futuro das transmissões televisivas da liga milionária. A Meo, Nos e a Vodafone terão ficado satisfeitas com o que saiu do encontro.

Além da Champions League, a Eleven Sports transmite também os jogos da LaLiga, da Bundesliga, da Ligue1, Fórmula 1 e NFL.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nvinha@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

Caixa para que te quero

Inês Domingos

Centeno quis a toda a força financiar a Caixa para lá do que seria aparentemente preciso, mas disse no Parlamento que não tem interesse no resultado da auditoria que revelou os desmandos socialistas. 

Liberalismo

Por uma alternativa política

Manuel Loureiro

Vivemos contentes com crescimentos poucochinhos, resignados a um aperto económico com que as famílias vivem? Se em 1974 ganhámos a democracia, não estará agora na hora de lutarmos pela liberdade?

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)